Siga nossas redes:

Resenha – Sob um milhão de estrelas

Publicado em 3 de abril de 2017
- Sem classificação
 Livro: Sob um milhão de estrelas |
Autora: Chris
Melo | Lançamento: 2017 | Editora: Fábrica
231 | Páginas: 320| Classificação do Skoob: 4,7 | Onde comprar: Amazon | Saraiva
*Livro do acervo pessoal
De uns
tempos para cá, percebo que estou muito entusiasmada com a literatura nacional
contemporânea. Volta e meia me deparo com autores e autoras que me surpreendem
com uma escrita de qualidade e histórias encantadoras. Confesso que mesmo lendo
cada vez mais livros nacionais, ainda não conhecia o trabalho da Chris Melo.
Hoje vou falar para vocês sobre a experiência que tive com o livro Sob um milhão de estrelas.

Confesso
que o escolhi muito por acaso. Não sabia a sinopse, pois preferi não lê-la e
nem buscar informações sobre o livro. Talvez por isso não percebi que se
tratava de um segundo volume, uma espécie de continuação do livro Sob a luz dos teus olhos. De qualquer
maneira, esse fato não atrapalhou em nada a leitura, pois cada obra foca em um
casal diferente.
Neste
livro conhecemos a história de Alma e Cadu. Ela é uma jovem médica com o
coração partido e precisando dar um tempo na carreira, após uma situação que,
além de acabar com o seu relacionamento com o noivo, a faz duvidar da sua
capacidade de clinicar. Alma necessitava ressignificar sua vida, sua carreira,
precisava de uma chance para entender o que aconteceu no dia em que tudo virou
de cabeça para baixo.  Era imprescindível
descobrir o que deveria fazer a partir de agora.
Cadu é um
professor universitário e dono de um bar, na pequena cidade de Santa Cecília.
Mudou-se para o interior após sua ex romper com ele, para reatar o
relacionamento com um antigo namorado. Com o coração aos pedaços, desiludido com o
amor e querendo desesperadamente se reorganizar enquanto pessoa, Cadu investiu
na possibilidade de recomeçar a vida em Nova Cecília. Ali ele fez amizades,
conquistou a confiança e o carinho das pessoas. E estava tudo bem, em paz, até
a chegada de Alma.

“Olho para a janela e vejo a luz trepidante e azulada atravessando a cortina da minha nova vizinha. O que será que diz a televisão ligada de Alma? Será que ela assiste algo interessante, apenas olha desatenta para a tela à espera de o sono vir ou simplesmente a ligou para inibir o barulho que toda solidão tem?”

Alma e
Cadu se conhecem quando ela chega à cidade para receber uma herança deixada
pela avó.  No testamento há um sobrado
com janelas coloridas. Na parte de cima, Alma encontra uma casa aconchegante e
acolhedora; na parte de baixo um antiquário que guarda muito mais histórias do
que as que são contadas pelos objetos antigos em exposição. E em frente, em um
sobrado similar, está Cadu, um vizinho solitário e poético, que acaba se
tornando um amigo com quem Alma compartilha as dores de um coração partido. Ou
dois, no caso.
Até
então a história parece clichê: duas pessoas que passam a dar suporte uma para
a outra. Uma amizade que floresce e dá espaço para um amor passional e intenso
entre um casal, certo? Eu pensei isso também, até que percebi que Sob um milhão de estrelas é aquele tipo
de livro que mostra uma premissa simples, talvez batida, mas que aos poucos vai
ganhando força e envolvendo o leitor de tal maneira que, quando percebemos,
estamos marcado 4 de cada 5 frases escritas pela autora. A gente sente o
coração partido, a necessidade de recomeço, a saudade, a angústia, o desejo… A
gente sente tudo junto com os personagens, do começo ao fim.

Durante a
narrativa a gente quer abraçar Alma e dizer que vai ficar tudo bem. A gente
quer pegar Cadu pela mão e reivindicá-lo como nosso. Um poeta, um romântico incorrigível,
um homem maduro que sabe o que quer e que luta para conseguir o que deseja. Alma
não fica atrás, enfrenta suas questões de cabeça erguida e, através de diversas
cartas deixadas para ela pela avó, vai percebendo que existem questões e
sentimentos capazes de afetar diversas gerações. São esses sentimentos, aliados
às questões particulares dos protagonistas e personagens secundários, que dão o
tom do livro. O clichê aqui é reinventado e ganha profundidade com a escrita
assertiva e fluida de Chris Melo. A narrativa tem um toque lírico como há muito
tempo eu não via. Não é apenas um romance, é poesia pura.

 “Imaginar um pouco é ganhar fôlego, alimentar a esperança é um jeito que a nossa cabeça arruma para suportar o fato de que certas coisas podem nunca acontecer”.

Confesso
que em determinado momento certo acontecimento me pareceu um tanto forçado e
desnecessário. Ledo engano, aqui nada foi escrito por acaso. Tudo que acontece
na história dos personagens tem um porquê. É como se no fim das contas,
existisse um fio invisível ligando tudo, entrelaçando o destino daquelas
pessoas de tal maneira que nenhuma participação é vã.  Tudo isso junto transformou esse livro no meu
favorito de 2017 até o momento. Chris Melo atiçou minha curiosidade com relação
ao seu trabalho, e despertou em mim uma vontade absurda de ler tudo o que ela
escreve. Como disse, há sentido, há sentimento, há fluidez e coerência na
escrita. Esse é o tipo de romance que tem de tudo: amor, drama, reviravoltas,
intrigas, dor… E embora haja muito amor e paixão envolvidos, a autora em
momento algum pormenoriza esses sentimentos e transforma-os em cenas de sexo
desnecessárias com o intuito de prender o leitor. Não. Ela não faz isso. Chris Melo sublima as emoções aqui. E o resultado é um livro imperdível. 
  “É
simples sair da cama quando você mal consegue esperar pelo dia
amanhecer. Complicado é você ensaiar um sorriso mentalmente, respirar
fundo e permanecer de olhos fechados, tentando trapacear, fingindo
dormir para adiar a vida. Difícil é seguir com a rotina quando se tem
vontade de voltar a dormir por mais quinze minutos, dias, meses”.

 

“Ela me abraçou de um jeito tão carinhoso que, se eu tivesse talento, viraria poesia”.

Você também poderá gostar de

13 Comentários

  • Ludyanne Carvalho

    Uau! Essa capa é muito linda… Obrigada por dizer que é uma continuação,já vi algumas vezes os livros da Chris, tive um certo interesse mas ao mesmo tempo tive um receio de não gostar tanto. Mas essa resenha já me fez gostar bastante, ainda mais com os trechos do livro.

    5 de abril de 2017 às 02:25 Responder
  • Alessandra Fernandes

    Krisna, apesar de nunca ter lido nada dessa autora, eu tenho uma enorme vontade de conhecer a sua escrita. Tenho a curiosidade de ler não somente Sob a luz dos seus olhos, mas também Sob um milhão de estrelas. A capa deste está muito bonita e a história parece ser leve e que envolve completamente o leitor. Tenho certeza de que vou amar cada personagem <3
    Bjos!!

    5 de abril de 2017 às 13:34 Responder
  • Geysielle Patrícia

    Aí fiquei completamente apaixonada pela capa desse livro e depois dessa resenha os trechos do livro me encantaram ainda mais com certeza mais um para minha lista enorme de leitura que cada vez aumenta 😍

    5 de abril de 2017 às 17:46 Responder
  • Leonora Oliveira

    Já tinha visto uma resenha sobre esse livro, mas não sabia que tinha uma ligação com Sob a luz dos seus olhos, mesmo que não seja uma continuação. Gostei de conhecer suas impressões sobre essa obra e fiquei particularmente curiosa para saber o que vou achar. Quero gostar tão quanto você.
    Beijos, Krisna!

    5 de abril de 2017 às 23:11 Responder
  • Lili Aragão

    Oi Krisna, achei essa capa linda e fiquei bem interessada na sinopse, pois gosto de ter uns clichês a mão de vez em quando pra contrabalancear as leituras, não sabia que ele era uma continuação e gostei de saber que pode ser lido separado. Sobre a Cris, ouvi dizer que ela é o Nicholas Sparks de saia e brasileira rsr, e assim fico com medo dos dramas que podem conter os finais e fico na torcido pro final ser feliz, pois pra mim é importante rsrs. Amei a resenha e tô sim curiosa pra conhecer essa história 😉

    6 de abril de 2017 às 17:54 Responder
  • Caroline Garcia

    Meu Deus! Depois de ler essa resenha e ver o quão bom é esse livro, preciso urgente ler Sob a luz dos seus olhos.
    Li apenas um conto da autora e gostei bastante da escrita dela.
    E me parece que nesse novo livro, a autora consegue prender o leitor do início ao fim, com uma história bem desenvolvida e personagens bem construídos. Parece ser uma leitura incrível e bem apaixonante.
    E o que falar dessa capa? Achei super caprichada <3
    Já coloquei o livro na minha listinha de leituras e espero ler em breve, ainda mais sendo um nacional!
    Adorei suas fotos <3
    Beijos,
    Caroline Garcia

    6 de abril de 2017 às 20:09 Responder
  • Marlene Conceição

    oI Krisna.
    Eu confesso que sou bastante relutante em ler literatura nacional, mas de uns tempos para cá assim como você passei a ler mais e estou gostando bastante.
    Achei a premissa do livro bem interessante, uma pena que achou forçado em alguns momentos, infelizmente isso acontece e muito, enfim adorei essa capa.
    Bjs.

    10 de abril de 2017 às 17:17 Responder
  • Aichha Carolina Pereira

    Oi Krisna
    Achei sua resenha tão profunda e bonita que fiquei apaixonada pelo livro antes mesmo de lê-lo.
    Sua fotos ficaram maravilhosas e deram todo o toque poético que você disse que o livro tem.
    Adoro livros que tragam profundidade mesmo sendo considerados clichês.
    Beijos

    11 de abril de 2017 às 13:39 Responder
  • Priscila Tavares

    Oi Krisna, tudo bem?
    Eu estou numa vide de livros nacionais também, e olha, tenho lido muita coisa boa. Eu também não conhecia o trabalho da Chris e fiquei sabendo hoje que esse livro é na verdade o segundo. Gostei da história apesar de algumas pessoas acharem meio clichê. Afinal de contas, a vida não é cheia deles?
    Beijokas
    Quanto Mais Livros Melhor

    16 de abril de 2017 às 23:38 Responder
  • Leituras da Ketellyn

    Linda essa capa, ultimamente tenho lido muitos nacionais, no ano passado li apenas 5 e nesse ano em apenas quatro meses já li 9. Não conhecia esse mas pela sua resenha já da para saber que é ótimo, gostei de saber que todos os acontecimento nele tem um motivo e estou ansiosa para ler.

    30 de abril de 2017 às 00:26 Responder
  • Cristiane Dornelas

    Esse livro me chamou atenção pela história, pelo que vi tinha achado que poderia ser bem bonita. Gostei de saber que não acaba sendo um clichê como podemos esperar. Parece que a trama consegue passar uma profundidade de sentimentos, uma empatia com os personagens e achei isso bem legal. Assim a leitura fica bem mais gostosa e faz a gente sentir o que eles sentem, se importar e tudo mais. Parece muito bom ^^

    30 de abril de 2017 às 15:06 Responder
  • suzana cariri

    Oi!
    A cada ano também tenho essa sensação que estou cada vez mais lendo mais livros nacionais e com escrita e historias de alta qualidade, ainda não li nada da Chris Melo, mas vejo muitos comentários positivos sobre sua escrita, essa historia dela parece ser uma grata surpresa que se torna muito mais do que esperamos e estou doida para poder ler esse livro !

    1 de maio de 2017 às 17:26 Responder
  • Kris Soares

    Que resenha mais linda! Daquelas que dá vontade de correr para ler o livro.
    Também ainda não li nada da Cris Mello, mesmo lendo muitos nacionais. Com certeza vai para lista de próximas leituras <3

    1 de maio de 2017 às 23:18 Responder
  • Deixe uma resposta