Siga nossas redes:

Resenha – A Rebelde do Deserto

Publicado em 6 de março de 2017
- Fantasia, Resenhas, Seguinte

LIVRO ESPECIALMENTE INDICADO PARA quem busca uma história fantástica com elementos de mitologia árabe, para quem curte narrativas que são feitas de ação e poesia, e despertam em quem lê todo um misto de sentimentos que chegam lá no fundo do peito. Ideal para momentos que buscamos nos envolver de maneira íntima com uma história, para ler sem pressa aproveitando toda a tensão e emoção que o livro proporciona.

A Rebelde do Deserto é o primeiro volume da trilogia homônima escrita por Alwyn Hamilton, é também seu livro de estreia. A história mistura aventura, ação, mitologia árabe e um toque de fantasia. Romance? Talvez, mas não é o foco aqui. Utilizando desertos como plano de fundo o livro é, de acordo com a própria Alwyn, “sobre uma garota que a principio quer fazer tudo sozinha, mas acaba se envolvendo em algo muito maior”.

A protagonista, Amim Al’Hiza, é uma garota de 17 anos que vive em um pequeno e arruinado vilarejo chamado de Vila da Poeira. Um lugar onde sobra areia e julgamento, um fim de mundo hostil e desumano onde só há duas possibilidades de existência para uma jovem como ela: a morte ou um casamento indesejado. E, para ela, dá no mesmo. É por isso que Amim pensa em fugir, e fará tudo o que está ao seu alcance para deixar o lugarejo maldito para trás.

Peguei a lata de café da prateleira de cima. Estava bem leve. Misturavam serragem nele para que rendesse. Meu estômago apertou. As coisas ficavam ruins quando a comida era escassa. Na verdade, eram sempre ruins. Mas pioravam.

Amim não é uma garota qualquer. Ela sabe que para conseguir o que deseja é necessário saber se virar, principalmente se não é isso que esperam de você. Ela é inteligente, estrategista, manipuladora e com uma pontaria certeira, e não pensa duas vezes antes de usar suas habilidades a seu favor. E no meio de uma busca enlouquecida pela liberdade, ela se depara com Jin. Quem é ele? Um forasteiro, um desconhecido, um rapaz com um sorriso
encantador e com um jeito tão misterioso quanto o próprio deserto. As circunstâncias os colocam lado a lado, e a partir daí a gente embarca em uma aventura como há muito tempo eu não via.

E então ele veio com aquele sorriso. Talvez eu tivesse olhos que me traíam, mas Jin com certeza tinha o tipo de sorriso capaz de converter impérios inteiros. O tipo de sorriso que me fazia sentir que o entendia direitinho, embora não soubesse nada sobre ele. O tipo de sorriso que me fazia sentir que éramos capazes de qualquer coisa juntos.

Neste livro a gente encontra diversas características que costumam entremear histórias fantásticas, mas também encontramos muito mais. Aqui a autora trocou reis por sultões e mostrou um cenário até então pouco explorado. Enquanto lemos somos transportados para desertos e Oasis, lugares habitados por rebeldes, soldados, fugitivos, além de demônios e metamorfos. Nós encontramos criaturas com o poder de controlar areias e queimar cidades em um piscar de olhos. Seres que se alimentam dos medos e pesadelos, ou que possuem poder para enganar nossa mente e nos fazer enxergar coisas que não existem. Nós nos deparamos com protagonistas muito bem construídos e com personagens secundários que não ficam muito atrás.

Com esse livro Alwyn Hamilton mostrou que tem um know-how imenso. Sua escrita nos prende às páginas, a história nos entrelaça aos personagens e nos transporta para oceanos feitos de areia. A narrativa traz reflexões sobre a situação da mulher na sociedade, sobre as consequências do machismo, sobre a necessidade de mudança e empoderamento. A autora nos faz sentir uma necessidade esmagadora de não largar as páginas antes de descobrir o que vai acontecer em seguida. E essa vontade de querer continuar a ler permanece mesmo após o término do livro, principalmente porque muitas possibilidades ficaram em aberto.  Não vejo a hora de ler o próximo, que já tenho em mãos.

Eu nunca tinha parado para pensar se acreditava em Deus. Acreditava nas histórias dos livros sagrados da mesma forma que acreditava nas histórias do primeiro mortal ou do príncipe rebelde Ahmed. Para mim, nunca tinham importado se eram reais ou não. Traziam verdade suficiente sobre grandes ideais, heróis, sacrifícios e coisas que todo mundo queria ser.

Super indico esse livro para os fãs de fantasia. Mas indico também para quem gosta de protagonistas fortes e com tendência a se meter em muita confusão física e emocional. Como falei, o romance aqui não é o foco, mas confesso que torci por ele mesmo assim. Com uma edição belíssima e uma diagramação que agrada aos olhos, A Rebelde do Deserto é uma ótima pedida.

 


Livro: A Rebelde do Deserto
Autora: Alwyn Hamilton
Lançamento: 2016
Editora: Seguinte
Páginas: 288
Sinopse: O deserto de Miraji é governado por mortais, mas criaturas míticas rondam as áreas mais selvagens e remotas, e há boatos de que, em algum lugar, os djinnis ainda praticam magia. De toda maneira, para os humanos o deserto é um lugar impiedoso, principalmente se você é pobre, órfão ou mulher.

Amani Al’Hiza é as três coisas. Apesar de ser uma atiradora talentosa, dona de uma mira perfeita, ela não consegue escapar da Vila da Poeira, uma cidadezinha isolada que lhe oferece como futuro um casamento forçado e a vida submissa que virá depois dele.

Para Amani, ir embora dali é mais do que um desejo — é uma necessidade. Mas ela nunca imaginou que fugiria galopando num cavalo mágico com o exército do sultão na sua cola, nem que um forasteiro misterioso seria responsável por lhe revelar o deserto que ela achava que conhecia e uma força que ela nem imaginava possuir.

Você também poderá gostar de

8 Comentários

  • Lili Aragão

    Oi Krisna, esse já tá na minha lista e tenho acompanhado atentamente as resenhas dele e vou acompanhar da sua continuação que será lançado. O livro parece ser muito bom, ter ação, aventura, fantasia e uma pitada de romance (que pode ganhar destaque nos próximos livros, o que vai me deixar feliz, porque eu sempre torço por um romance haha). A edição parece estar linda e gostei das fotos 😉

    6 de março de 2017 às 12:07 Responder
  • Thais Bueno

    Amei a resenha e as fotos! Vou querer o livro emprestado Kris!

    6 de março de 2017 às 20:00 Responder
  • Luíza Fried

    Oie! Já tinha esse livro adicionado a minha lista de desejados e se desse adicionaria de novo depois dessa resenha, hahahah, a história parece ser muito envolvente, eu já amo a personagem sem nem conhecer pela coragem dela e tirando que essa capa é simplesmente maravilhosa, né!? Adorei a resenha!

    7 de março de 2017 às 02:36 Responder
  • Aichha Carolina Pereira

    Oi Krisna!
    Adorei a premissa, nunca li nada que fosse nesse "universo árabe". Adorei que Amim não é uma garota qualquer, ela é um retrato de mulher feminista que não esta dentro dos padrões que a cultura dela impõe!
    Mais um pra lista <3
    Beijos

    7 de março de 2017 às 17:12 Responder
  • Esther De Sa

    Olá, tudo bem?
    Já li esse livro faz tempo, mas gostei muito.
    Apesar de não ter entendido tudo muito bem, estou ansiosa para conferir a sequência.
    Beijos e seguindo aqui!

    http://excentricagarota.blogspot.com.br

    9 de março de 2017 às 17:46 Responder
  • Thaynara ribeiro

    Demônios e metamorfos *_* estou louca para ler esse livro. Amo histórias que se passem no deserto com toda essa cultura fascinante e saber que tem um toque de sobrenatural só me fez desejar mais. Espero ler em breve

    10 de março de 2017 às 12:55 Responder
  • Girlene Viey

    Fiquei curiosa em conhecer, pois quando saiu livro A traidora do Trono, eu devo confessar que achei que era livro único, e que não havia livro anterior. A capa dessa serie é maravilhosa. Achei A Rebelde do Deserto cheios de mistérios, coisa que gosto bastante em livros. Quero muito esta acompanhando algum dia

    12 de março de 2017 às 13:53 Responder
  • Ana Luisa Ricardo

    Já quero ler! Não sei porque, acho que por causa do deserto, me lembrou O pequeno príncipe e um também um dos crônicas de Nárnia. Fiquei curiosa, até porque não se vê muito livro ambientado dessa maneira.

    17 de março de 2017 às 14:03 Responder
  • Deixe uma resposta