Siga nossas redes:

Resenha – Nossa Música

Publicado em 15 de setembro de 2017
- Arqueiro, Drama, Resenhas

LIVRO ESPECIALMENTE INDICADO PARA quem busca narrativas mais carregadas de drama, que abordam questões relacionadas a vida e a morte de pessoas queridas. Ideal para ler em momentos em que precisamos chorar bastante, sentir o coração apertar de angústia e encher de amor em igual medida.


Olá, pessoal! Alguém aí já leu algo da Dani Atkins? Tive três experiências com ela e em cada leitura me senti de maneira diferente. Vocês podem conferir a resenha de A história de nós dois, e agora vou falar o que achei de Nossa Música.

Antes de tudo preciso dizer que este livro tem todas aquelas características muito peculiares da Atkins: ela faz o leitor sofrer do início ao fim. Primeiro ela vai aos poucos, de maneira maquiavélica, enchendo nosso coração de amor e de esperança. E depois? Ela simplesmente nos despedaça de tal forma que conter as lágrimas é quase impossível. Pois é, essa é a ‘vibe’ dessa história.

Você pensa que tem o controle de sua vida, acredita que é você quem toma todas as decisões, e então algo assim acontece e você se dá conta de que é apenas uma minúscula peça em um jogo de xadrez, sendo movida de um lado para outro ao capricho de alguma coisa ou alguém muito maior.

Já começa daquele jeito: acidentes acontecem e deixam a vida de pessoas queridas em risco. Como se não bastasse isso, quem está entre a vida e a morte é David, primeiro amor de Charlotte (e agora casado com Ally), e Joe, o homem que juntou os caquinhos do coração de Charlotte oito anos atrás. Atkins deixa a situação ainda mais desconfortável quando junta na sala de espera as duas protagonistas, que já foram amigas, se tornaram rivais e agora rezam pela vida de seus respectivos amores. Gente, aqui drama pouco é bobagem.

Fios de um acaso incompreensível se esticavam como cordas de piano pela minha vida, e nessa noite uma forja de fogo soldava passado e presente

A narrativa vai e volta, alternando passado e presente de tal forma que mesmo se tornando um pouco cansativo e confuso, permite ao leitor criar um panorama de quem é quem e de que maneira cada personagem é importante para a trama. Claro, é impossível ficar imune ao Charmoso David, lindo e inteligente, com o sorriso sacana e daquele tipo de parceiro que valoriza e torna especial sua amada. Ao mesmo tempo em que é mais difícil ainda não se render ao carisma de Joe, um homem simples, atencioso e amoroso, o melhor amigo que se podia ter e o marido mais parceiro que se poderia desejar. Com Charlotte e Ally acontece o mesmo, cada uma mostra seus pontos fortes e suas características mais irritantes, de maneira que a gente vai compreendendo aos poucos quem são de verdade. Neste ponto, quando dei por mim, já tinha começado a torcer por um e depois partido pro outro. Difícil explicar.

Acontece que essa autora é perita em fazer seus leitores sofrerem. Alguém que leu Uma curva no tempo não chorou? Alguém que acompanhou A história de nós dois não ficou emocionado em algum ponto? Nossa música não perde em nenhum quesito e ouso dizer, causa mais choro, tristeza, angústia e desesperança do que os outros dois livros juntos.

Pareceu haver um motivo para que estivéssemos todos ali, naquela noite, naquele lugar. Pessoas precisavam ser curadas, e não por médicos e enfermeiros, mas por nós. E a cura estava acontecendo naquele instante.


Claro, os sentimentos provocados pela leitura dependem de diversos fatores: que tipo de leitor está acompanhando a história? Em que momento esse leitor se encontra – está fragilizado ou mais sensível? De que maneira costuma observar a vida, como se fosse um copo meio cheio ou meio vazio? Não há como negar que Nossa Música é um livro com uma alta carga dramática, mas é ainda mais inegável que a maneira que essa história vai chegar ao coração de quem lê depende muito mais da pessoa do que da narrativa e do desfecho que ela apresenta. Esse, por sinal, acabou comigo de tal maneira que fiquei me questionando se li este livro no momento adequado. Então se a vontade é embarcar em uma história que fala sobre a a vida, com suas alegrias e tristezas, e sobre a necessidade de ressignificar nossas escolhas e decisões, esta obra pode se encaixar perfeitamente, caso contrário talvez seja melhor esperar um pouquinho.

 


Livro: Nossa Música
Autora: Dani Atkins
Lançamento: 2017
Editora: Arqueiro
Páginas: 368
Sinopse: Ally e Charlotte poderiam ter sido grandes amigas se David nunca tivesse entrado em suas vidas. Mas ele entrou e, depois de ser o primeiro grande amor (e também a primeira grande desilusão) de Ally, casou-se com Charlotte. Oito anos depois do último encontro, o que Ally menos deseja é rever o ex e sua bela esposa. Porém, o destino tem planos diferentes e, ao longo de uma noite decisiva, as duas mulheres se reencontram na sala de espera de um hospital, temendo pela vida de seus maridos. Diante de incertezas que achavam ter vencido, elas precisarão repensar antigas decisões e superar o passado para salvar aqueles que amam. Com a delicadeza tão presente em seus livros, Dani Atkins mais uma vez nos traz uma história de emoções à flor da pele, um drama familiar comovente que não deixará nenhum leitor indiferente.

Você também poderá gostar de

8 Comentários

  • Ludyanne Carvalho

    Nesse caso, vou esperar mais um tempo para fazer esta leitura.
    Me decepcionei com Uma curva no tempo, achei a história confusa e o final… aah, aquele final me deixou de coração partido.
    Mas esta resenha fez parecer que Nossa música é um livro maravilhoso, melhor do que anterior. Apesar dos detalhes parecidos.
    Mas concordo que o momento determina muito o que vamos sentir em relação a leitura, às vezes lemos um livro em um momento não legal, e isso pode deixar a leitura nada agradável.
    A resenha está linda, até me deu aquela vontade de ler (mas vou esperar) porque vocês conseguem despertar esse interesse em nós, leitores inquietos.

    Beijos

    15 de setembro de 2017 às 22:36 Responder
    • Krisna

      Aiiíiii eu fico tão feliz quando percebo que essa inquietude chega em vocês também é que a família aqui vai se tornando especial e cheia de inquietos ❤
      Eu lembro que me emocionei nos outros livros da Atkins, mas confesso que não curto muito o sentimento que fica depois das leituras. Ela deixa o leitor na posição de preencher lacunas e muitas vezes interpretar a seu próprio modo o que significa o desfecho. Nesse, por exemplo, e talvez pelo momento conturbado nonqual estava quando li, senti muita desesperança e tristeza no final. E sou daquelas que gosta de terminar uma história com o peito quente e um sorriso no rosto, sabe? Então por isso acho que o meu momento interferiu na leitura. Talvez eu devesse ter esperado também.

      16 de setembro de 2017 às 11:02 Responder
      • Ludyanne Carvalho

        Cada vez mais leitora inquieta. ❤
        Tem razão, também gosto de finalizar a leitura assim.
        Vale fazer uma releitura, Krisna.

        16 de setembro de 2017 às 15:51 Responder
  • Lili Aragão

    Oi Krisna, eu sou da opinião que cada história tem seu momento pra ser lida e como essa promete ser bem intensa “causa mais choro, tristeza, angústia e desesperança do que os outros dois livros juntos.”, acho que vou ter que escolher o momento certo pra lê-la. Eu gostei muito da resenha e de saber como a história te tocou, você nos passou através da resenha uma certa emoção que deve ser só um pedacinho do que o livro proporciona. A capa da linda, a Arqueiro geralmente nos entrega edições muito boas e espero poder ler mais a frente no momento certo pra história chegar ao meu coração. Linda resenha 🙂

    16 de setembro de 2017 às 10:53 Responder
    • Krisna

      Mulher, eu fiquei foi estirada da BR. Mais perto do final do livro eu saí com meu marido pra levá-lo ao médico e fui chorando do carro ao consultório, soluçando na sala de espera e com crise de fúria querendo jogar o livro da parece enquanto tomava um café amargo e esperava ele ser atendido. Livro é momento Sim, acho que li esse em um que tava muito sensível, não sei. Mas eu fiquei maaaaaaaaaal pra burro depois dr ler.

      16 de setembro de 2017 às 10:59 Responder
  • Hérica Lima

    Estou doida para ler os livros dessa autora, mas acho que agora não é o momento!
    Estou mais na vibe de aventuras e distopias, porém adoro também romance bem dramático, então com certeza irei ler esse livro.
    A capa é bem linda e já sei que vou chorar livros.

    16 de setembro de 2017 às 12:10 Responder
  • Franciele Débora

    Olá, tudo bem?
    Ah essas resenhas maravilhosas que só alegram meu coração ♥
    Primeiro devo dizer que não conhecia a autora e consequentemente seus livros. Mas já estou me imaginando chorando rios de lágrimas lendo esse livro, adoro historias assim que começa enchendo nossos corações de alegrias (como você disse) e depois faz o leitor desabar a chorar. Amo historias emocionantes e vejo que esse livro carrega uma bem forte.
    Como sempre sua resenha está linda e com certeza quero ler este livro e os outros da autora.
    Beijos.

    18 de setembro de 2017 às 10:59 Responder
  • Pamela Mendes

    Eu já estava com bastante vontade de ler esse livro, agora essa vontade só aumentou. Eu já li dois livros da autora, e eu gostei bastante de Uma Curva no Tempo, mas não gostei tanto de A História de nós dois, mas eu acho que vou gostar muito desse livro. Já percebi que também vou me emocionar bastante com esse livro, e o livro parece ser lindo desde o começo. Eu não sou muito fã de livros que fiquem alternando passado e presente, também acho que fica bem cansativo, mas parece que mesmo assim o livro é muito bom.
    Bjss ^^

    21 de setembro de 2017 às 22:48 Responder
  • Deixe uma resposta