Siga nossas redes:

Resenha – Meu coração e outros buracos negros

Publicado em 25 de janeiro de 2017
- Sem classificação
Livro: Meu
coração e outros buracos negros | Autora: Jasmine
Warga | Lançamento: 2016 | Editora: Rocco | Páginas: 312 |Classificação do
Skoob:
 4,2 | Onde comprar: Saraiva | Americanas
*Livro do acervo
pessoal
Fiquei
interessada por Meu coração e outros
buracos negros
desde que li a sinopse. Não foi só por me lembrar, de certa
forma, do livro Por lugares incríveis,
um dos melhores que li em 2016 – você pode conferir a resenha aqui. O interesse
veio principalmente porque a premissa, embora muito melancólica, fala também
sobre amor e esperança. Amo livros assim, cheios de sentimentos. Principalmente
quando quem os escreve se permite abordar temas que são atuais, que são humanos,
mas que muitas vezes não são levados tão a sério. A depressão é um desses
temas.

A
obra de estreia da autora conta a história de Aysel e Roman. Ambos jovens, com
uma vida inteira pela frente, mas vivendo uma depressão tão forte que só
conseguem enxergar um único caminho possível: a morte. Planejando dar um fim a
própria vida, mas com medo de desistirem ou falharem no momento decisivo, resolvem
buscar uma parceria de suicídio, alguém que além de não dar para trás, esteja
ali no momento final. Encontram um no outro o parceiro perfeito, e então
começam a contagem regressiva.

  “Os
olhos de RobôCongelado são suaves e pacientes. Sabe o que vai encontrar
se cavar mais fundo. Não há pressa para me abrir. Ele entende que não
há nada de especial com o vazio, nada de interessante na depressão”.

A
ideia pode parecer mórbida, mas nem por isso se torna fantasiosa ou menor real.
Pelo contrário. É uma morbidez facilmente encontrada nos noticiários, nas
conversas entre conhecidos, nos comentários maldosos daqueles que gostam de
falar da vida alheia, nas homenagens que pintam na nossa timeline. Afinal, quem
aí não conhece alguém que está ou já esteve em depressão? Quem aí não conhece á
história de alguém que já não vê sentido na vida, ou que sente estar sendo
comido de dentro para fora por sentimentos que vão desde a aquela tristezazinha
até a sensação de um vazio absurdo?  

Aysel
e Roman vivem essa depressão. Estão imersos nessa doença ingrata e devastadora,
que chegou como uma tristeza, uma melancolia, e se transformou num monstro sem
rosto, mas com um apetite feroz. Vivendo num mundo completamente cinza, eles
começam a passar tempo juntos para pensar nas possibilidades para o fatídico
dia, e o leitor acompanha aquele passar de páginas, aquela diminuição dos dias
até a data marcada. Acompanha isso e o florescer de um relacionamento entre
eles, um relacionamento que poderia significar aquela luz no fim do túnel capaz
de fazê-los mudar de ideia. O leitor acompanha tudo isso com o coração apertado
e com uma angústia que só cresce conforme a contagem regressiva vai chegando ao
fim. Mas a esperança está ali também… Ah, ela precisa estar.

Com
uma linguagem simples e cheia de ironia, Jasmine Warga apresenta ao leitor algumas
facetas da depressão. Através dos protagonistas ela pincela questões que
envolvem a diminuição da autoestima, tristeza, sensação de vazio, isolamento, sensação
de culpa e ideação suicida. Acredito que o mais legal de tudo foi o cuidado que
a autora teve para mostrar também outro lado da doença: a necessidade de pedir
ajuda, de compartilhar, de dividir aquele peso que enverga os ombros e escurece
a luz à nossa frente. Ela fez isso durante a história dos dois jovens, e fez
também na nota que deixou no final do livro; com direito ao contato do CVV- Centro
de valorização à vida e o conselho para que você procure ajuda, caso esteja
vivendo algo parecido. Ou, caso perceba alguém em situação semelhante, ofereça
uma mão, um abraço. Uma possibilidade.

 “Às vezes, imagino que meu coração é como um buraco negro – tão denso que não há espaço para a luz, mas isso não significa que não possa me sugar para dentro dele”.

Claro
que eu recomendo o livro, que não é perfeito, mas que cumpre bem o seu papel. Mas
minha recomendação não é para todos os leitores. Acho que aqueles com tendência
a julgar e apontar o dedo devem deixar esse livro de lado Afinal, falta de
empatia e desprezo pela dor alheia a gente já vê demais por aí, certo? Mas se
você é do tipo de leitor e leitora inquieta que se permite sentir tudo aquilo
que uma história é capaz de despertar, sejam esses sentimentos doces ou
amargos, felizes ou tristes; e se você é aquele tipo de pessoa que se permite
tocar – mesmo que um tiquinho – por histórias que poderiam muito bem ser reais,
esse livro é pra você. 

 
[…] “Espero que essa história tenha feito você se lembrar das pessoas que realmente importam na sua vida. Cuide delas, seja gentil com elas e lembre-se de que a vida é frágil”.

Você também poderá gostar de

13 Comentários

  • Lana Silva

    Só de você ter comparado esse livro com a obra de Por lugares incríveis, e claro que já fiquei interessada, apesar de não ter lido nenhuma das obras, pretendo ler ainda esse ano. Sempre gostei de livros dramáticos, e sentimentais, talvez por isso tenha optado por estudar psicologia, e procurar ajudar pessoas que passam por esse tipo de situação, depressão e algo serio, onde se deve ter um acompanhamento, e pela sua resenha da para notar que a autora retrata isso de forma bem real. E a primeira vez que leio uma resenha desse livro e fiquei completamente encantada.

    25 de janeiro de 2017 às 10:31 Responder
  • Naime Martins

    Eu adoro temas assim, acho interessante abordar assuntos tão polêmicos em diversas visões. Como psicóloga sei como a depressão tem diversas facetas, cada um lida com ela de uma forma, uns conseguem se ajudar. Outros não. Por Lugares Incríveis está na minha lista faz tempo e ainda não consegui ler, mas quero muito. Esse livro me interessou também, já quero ler. Parabéns pela resenha!
    Beijos.

    25 de janeiro de 2017 às 12:03 Responder
  • Adriana Holanda Tavares

    Li esse livro recentemente, achei ele bem legal, tem uma escrita jovial e acredito que a ideia era exatamente essa. Achei bem interessante, gostei da maneira com que o enredo foi tratado, como a depressão dele era bem maior do que a dela. e como eles conseguiram se entender tão bem. Mas acho que deveria ter sido mais trabalhado ou de forma mais profunda. Como você bem falou ele cumpriu o que prometeu…

    26 de janeiro de 2017 às 13:31 Responder
  • Pamela Liu

    Oi Krisna.
    Fiquei bastante curiosa sobre esse livro. Acho que depressão é um tema bastante recorrente nos dias de hoje e achei bom a autora abordar várias facetas da depressão.
    Deve ser interessante acompanhar a interação entre Aysel e Roman e sua contagem regressiva. Mas ainda com aquela esperança de que no final vão mudar de ideia.
    Já coloquei na minha lista de desejados!

    26 de janeiro de 2017 às 21:37 Responder
  • Rossana Batista

    Eu gosto muito de ler livros com temas bem tabús e difíceis. É bom um tema desses para serem discutidos como é o suicídio. Admiro a autora já pelo fato de falar desses temas. Bom saber que o livro trata dele muito bem e ainda conta com uma boa narrativa e história dos personagens envolvidos.

    26 de janeiro de 2017 às 21:41 Responder
  • suzana cariri

    Oi!
    Essa parece ser um livro bem denso, já tinha visto ele algumas vezes, mais ainda não tinha parado para ler a resenha dele, parece ser uma historia interessante e gostei do tema que a autora trata e a forma que ela nos trás através desses dois jovens, fiquei curiosa para saber mais sobre essa historia, ainda mais pela comparação ao livro Por lugares incríveis !!

    27 de janeiro de 2017 às 14:42 Responder
  • Alison de Jesus

    Olá, os problemas abordados no livro só torna a leitura mais interessante, pois muitas pessoas compartilham situações semelhantes, gosto bastante de livros que nos tocam intimamente e desencadeiam reflexões. Beijos.

    27 de janeiro de 2017 às 21:22 Responder
  • Helen A.Z

    O título foi o que chamou a atenção logo de cara,não pensava que a trama era tão profunda,aborda temas sérios.
    Sua indicação se encaixa bem em minhas características de leitora,quero ler e sentir os sentimentos doces e amargos da história.

    29 de janeiro de 2017 às 20:14 Responder
  • Cristiane de Souza

    Oi Krisna…
    O título do livro me chamou a atenção logo de cara… E ao saber que a obra aborda temas fortes como a depressão fiquei muito curiosa para lê-lo… Muitas pessoas realmente apontam o dedo para quem sofre dessa doença, achando que é apenas frescura, mas vai muito além disso, pois se não for tratada pode trazer sérias consequências… Espero poder ler esse livro em breve…
    Beijinhos…

    30 de janeiro de 2017 às 04:18 Responder
  • Kris Soares

    Acho que esse livro é para mim sim. Gostei do tema , é como você falou, quem nunca viveu ou conhece um amigo ou parente que passou ou passa por isso.
    Além disso sua resenha me deixou curiosa pra saber qual será a decisão final deles, espero que o final seja feliz, apesar de saber que na vida real isso infelizmente nem sempre aconteca.

    30 de janeiro de 2017 às 16:29 Responder
  • Mayla Lima

    É realmente um livro que lembra muito Por Lugares Incríveis, eu gostei deste livro então é claro que gostei da sua indicação. Este tema depressão e suicídio deve mesmo ser bem falado, e fico feliz com tantas obras assim, as vezes pensamos que elas não ajudam, mas ajudam sim. O final me deixou curiosa, eu espero que não seja o mesmo final de PLI, por favor não pode ser… Eu amei sua resenha e dica.
    Abraço!
    A Arte de Escrever

    30 de janeiro de 2017 às 19:05 Responder
  • Roberta Moraes

    Realmente esse livro não deve ser pra qualquer um. É um tema complicado e difícil mas que gera muita discussão por ai e muitas vezes algumas pessoas desdenham disso e não acreditam ser algo tão sério. Estou com muita vontade de ler o livro e me permitir a todos esses sentimentos.

    31 de janeiro de 2017 às 03:14 Responder
  • Gêmea Má

    Oi!! Eu ainda não tinha ouvido falar do livro, mas eu gosto muito desses livros que possuem essa temática forte…Ainda mais se forem algum tipo de tabu. E ter depressão hoje é tabu, assim como é desculpa e qualquer tristeza as pessoas acham q estão deprimidas. Enfim, esse livro foi pros meus desejados. A capa émenos sombria do que eu esperaria, mas sem dúvida é bem adolescente. bjbj

    1 de fevereiro de 2017 às 03:48 Responder
  • Deixe uma resposta