Siga nossas redes:

Resenha – Menina Má

Publicado em 19 de outubro de 2016
- DarkSide, Resenhas, Terror

LIVRO ESPECIALMENTE INDICADO PARA quem gosta de narrativas que falam sobre o lado sombrio do ser humano. A maldade, a crueldade, a falta de remorso que são tão comuns em sociopatas. Pode agradar quem está em busca de um terror psicológico clássico embalado em uma edição perfeita. Para ler naqueles momentos em que precisamos tomar consciência de que coisas ruins podem vir das pessoas que menos imaginamos.

Menina Má é um livro que namorei por muito tempo. Desde que a Darkside anunciou a publicação, com uma capa belíssima e uma edição fantástica, como costuma ser o trabalho dessa editora. Quando liberou a venda, comprei. E ficou na estante até agora, quando o passei na frente de diversos títulos, pois queria algo aterrorizante, forte, polêmico e incrível para ler. Já tinha visto diversas resenhas positivas, e escutado algumas opiniões contrárias. Isso instigou minha curiosidade. Embarquei na leitura cheia de expectativas, afinal, esse livro foi um sucesso na época do lançamento original, em 1954. E novamente agora, ao ganhar o carimbo da caveirinha amada.

A obra conta a história de Rhoda, uma menininha inteligente, com ar angelical, capaz de cativar todos ao redor. Munida de uma covinha na bochecha e um espacinho entre os dentes, é o tipo de criança pela qual os adultos se derretem. Acontece que, por trás das trancinhas bem feitas e vestidinhos rodados, Rhoda esconde uma personalidade fria e calculista. Exímia estrategista, é uma criança que leva somente seus desejos em consideração, e é capaz de tudo para realizá-los. Inclusive matar.

Pensando em todas as questões macabras que envolvem a psicopatia e levando em consideração que, como psicóloga, me interesso demais pelo tema, acabei me decepcionando com o livro. Explico: existe sim a questão do transtorno de conduta da protagonista, que desprovida de sentimentos mente e manipula quando julga necessário. Acontece que as diversas facetas dessa condição não foram exploradas pelo autor, que preferiu direcionar uma atenção maior aos temas que (talvez) considerou polêmicos para a época. Falou sobre homossexualidade, incesto, perversão, e diversos conceitos presentes na psicanálise, talvez para mostrar que tinha embasamento para fazer análise de praticamente todos os personagens, ou o quanto estava aficionado pela teoria de Freud. Utilizou referências psicanalíticas como a associação livre ou interpretação de sonhos para preencher diálogos, muitas vezes entediantes, entre os personagens secundários.

Enquanto isso Rhoda aparecia vez ou outra, sem ter suas características de personalidade ou comportamentos exploradas. Até os assassinatos passam pela narrativa como se o autor estivesse descrevendo uma cena corriqueira, como acordar de manhã e abrir a janela. Perguntei-me: cadê a emoção? Por que eu não conseguia sentir o requinte de crueldade, a frieza, o medo que este tipo de narrativa deveria despertar? Não senti nada disso, pelo contrário. Senti que a questão da psicopatia foi soterrada por diversas outras questões mal trabalhadas… E a protagonista acabou por ser Christine, uma mãe permissiva, desestruturada, uma personagem sem graça e dramática ao extremo. Sim, existem questões levantadas acerca do que ‘transforma’ uma pessoa em sociopata. Hereditariedade? Características de personalidade? Modelagem de comportamento? Traumas? Enfim, sobre isso o autor fala brevemente, e levanta possibilidades para o fato de Rhoda ser como é. Mas só isso.

Achei a leitura cansativa, arrastada. Senti dificuldades em terminar o livro, e quando terminei, percebi o quanto é previsível. Final surpreendente? Com aquela mãe? Não achei. Pelo contrário, soube desde o começo que seria uma tragédia anunciada.

Minha avaliação vai para a edição do livro. Diagramação maravilhosa, sem erros de português, papel e tamanho de fonte confortáveis. A capa, belíssima. Os detalhes de dentro do livro conquistam o leitor que preza por beleza e qualidade. Resumindo, a DarkSide arrasa. Uma pena que a história não me agradou tanto assim.

 


Como gostaria de ler a opinião de vocês, só pra saber se eu encrenquei com o livro ou se de fato a história é enfadonha, pensei em sortear o exemplar. O que vocês acham? Coisa simples, basta seguir as regras:1 – Comentar neste post deixando nome e email, os comentários que não tiverem estas informação não entrarão no sorteio.

2 – Seguir
o blog.

Serão computados os comentários feitos até dia 29/10/16. Dia 30/10/16 posto o resultado. Ah, comentem pelo blog e não pelo face, Ok? Pois vou sortear de acordo com a ordem dos comentários.

O resultado será informado NESTA postagem, e enviaremos um email ao vencedor. O envio do livro será feito em até 30 dias e é necessário um endereço para recebimento aqui no Brasil.

Beijos
e boa sorte!
Participantes:
1- Erika Costa
2- Karla Samira

3- Thayenne

Resultado do Sorteio:
A vencedora foi a Karla Samira! Obrigada pela participação ;*

Livro: Menina Má
Autor: Willian March
Lançamento: 2016
Editora: DarkSide
Páginas: 272
Sinopse: Publicado originalmente em 1954, MENINA MÁ se transformou quase imediatamente em um estrondoso sucesso. Polêmico, violento, assustador eram alguns adjetivos comuns para descrever o último e mais conhecido romance de William March. Os críticos britânicos consideraram o livro apavorantemente bom. Ernest Hemingway se declarou um fã. Em menos de um ano, MENINA MÁ ganharia uma montagem nos palcos da Broadway e, em 1956, uma adaptação ao cinema indicada a quatro prêmios Oscar, incluindo o de melhor atriz para a menina Patty McComarck, que interpretou Rhoda Penmark. Rhoda, a pequena malvada do título, é uma linda garotinha de 8 anos de idade. Mas quem vê a carinha de anjo, não suspeita do que ela é capaz. Seria ela a responsável pela morte de um coleguinha da escola? A indiferença da menina faz com que sua mãe, Christine, comece a investigar sobre crimes e psicopatas. Aos poucos, Christine consegue desvendar segredos terríveis sobre sua filha, e sobre o seu próprio passado também. MENINA MÁ é um romance que influenciou não só a literatura como o cinema e a cultura pop. A crueldade escondida na inocência da pequena Rhoda Penmark serviria de inspiração para personagens clássicos do terror, como Damien, Chucky, Annabelle, Samara, de O Chamado, e o serial killer Dexter.

Você também poderá gostar de

28 Comentários

  • Kah

    Olá Kris! Adorei a resenha! Também não curti muito a história do livro, achei ok.. parabéns pelo Blog! <3 Érika Costa – eriikagcosta@gmail.com

    19 de outubro de 2016 às 19:03 Responder
  • Karla Samira

    Olá! Que linda a edição do livro. Essa editora realmente sempre arrasa em seus livros! Que pena que não gostou tanto assim da história. Como ainda não li, não posso dar minha opinião, mas realmente acredito que o autor poderia ter trabalhado melhor a psicopatia. Que pena que ele preferiu seguir pelos caminhos mais polêmicos para a época. Tenho vontade de ler para tirar minhas conclusões!
    Obrigada por sortear o exemplar, vou torcer para ganhar.
    Beijos.
    Karla Samira
    karlasamira@hotmail.com
    Seguindo como karlasamira@gmail.com

    19 de outubro de 2016 às 19:09 Responder
  • valeriapaulino747@gmail.com

    Gostei da resenha, mas já me desmotivou a ler. Me conta o final depois!!!

    19 de outubro de 2016 às 21:00 Responder
  • Três Livrólatras

    Oi, tudo bom?

    Sou louca para ler esse livro, amei sua resenha e só me deixou ainda mais curiosa e ansiosa !

    Beijos:*
    treslivrolatras.blogspot.com

    19 de outubro de 2016 às 21:08 Responder
  • Daniele Vieira

    Olá
    Eu tenho o livro, mas ainda não li, espero gostar um pouco mais que você, mas realmente acho que vou ficar um pouco triste por ele usar a psicopatia de um forma leve e focar mais em polemicas, mas quem sabe, eu ache incrivel, já que agora não prestarei atenção nisso.
    Sua resenha está maravilhosa.

    19 de outubro de 2016 às 21:25 Responder
  • Raíssa - Livros Românticos

    Eu não tenho muita curiosidade com esse livro, sua resenha só me mostrou que talvez eu não vá gostar mesmo, detesto livros enfadonhos. Tenho certeza de que alguém deve ter gostado.

    Raissa Nantes

    20 de outubro de 2016 às 11:23 Responder
  • Larissa Oliveira

    Oi!
    Eu já tinha lido inúmeras resenhas desse livro e por isso ao ler já sabia que Rhoda não era o foco da trama, apesar de tudo ser iniciado com ela. Fiquei ligeiramente decepcionada pois esperava mais informações sobre a psicopatia infantil em si mas ainda assim gostei do livro. Não costumo ler muito esse gênero e foi uma boa experiência.
    Beijos!
    Por Livros Incríveis

    20 de outubro de 2016 às 18:47 Responder
  • Carla

    Oie!
    Nossa, eu achei que o livro seria melhor! Não imaginava que a trama seria assim, e agora fiquei na dúvida se começo a leitura ou não. Vou pensa se deixo o livro na minha pilha ou não.
    Bjks!
    Histórias sem Fim

    20 de outubro de 2016 às 22:49 Responder
  • Tamara Padilha

    oie, que pena que o livro não te agradou. Também tenho visto muitos elogios e isso tem me deixado bem ansiosa para ler. Que pena que o autor preferiu explorar outras coisas do enredo ao invés da própria menina e suas brutalidades, mas espero gostar ao menos um pouquinho

    21 de outubro de 2016 às 09:52 Responder
  • Michele Lopez

    Olá,
    Fico muito triste em saber que o livro não te agradou tanto quanto esperava, pois só ouço elogios acerca da obra.
    Confesso que estou bem curiosa para conferir todas as angustias que a mãe de Rhoda passa nas situações em que percebe a frieza da menina. Foge do padrão de todas as leituras que já tive até hoje.

    http://leitoradescontrolada.blogspot.com.br/

    21 de outubro de 2016 às 17:34 Responder
  • Thayenne Carter

    Olá,

    Ainda não tive a oportunidade de ler esse livro, mas estou bem curiosa sobre. Minhas expectativas estavam bem altas, contudo lendo algumas resenhas percebi que o final pode ser decepcionante. Essa edição realmente está impecável e espero lê-lo em breve 🙂

    Thayenne – thayennes34@gmail.com (que a sorte esteja ao meu favor hahahaha)

    Beijos,
    entreoculoselivros.blogspot.com.br

    22 de outubro de 2016 às 00:11 Responder
  • Flora Literária

    Oi, Krisna!

    Esse livro está na minha lista só por ser da Darkside, haha! Amei sua resenha, ressaltou vários pontos que eu estava curiosa sobre o livro!

    Sucesso com o blog sempre!
    Beijos, Belle.
    floraliteraria.blogspot.com

    22 de outubro de 2016 às 13:21 Responder
  • Livros & Tal

    Oie!
    Nossa eu simplesmente adorei a sua resenha principalmente por causa da sua sinceridade. Sua resenha me surpreendeu, o menino do blog o leu e simplesmente amou o livro, não esperava que fosse uma leitura arrastada como disse…

    beijos
    Mayara
    Livros & Tal

    22 de outubro de 2016 às 22:25 Responder
  • LiteraKaos

    AMEI esse livro! Achei uma leitura completamente incrível e sensacional! Depois eu vi o filme e fiquei mais maravilhada ainda, ainda mais pelo final alternativo que o diretor deu!
    Bem, já tenho o livro então, boa sorte aos participantes!!

    #Ana

    https://literakaos.wordpress.com/

    24 de outubro de 2016 às 03:45 Responder
  • Lilian Huzyk

    Nossa, achei que seria uma história estrondosa é sinistra, mas pelo que descreveu não é nada disso #decepcionada! Ainda assim minha vontade de ler não desapareceu até pq a editora fez um ótimo trabalho com a divulgação e nos fazendo querer ler né! Adorei a sinceridade de sua resenha, ela ficou ótima!

    24 de outubro de 2016 às 12:20 Responder
  • Talita Correia

    Oi
    Vou começar falando que adorei a sua sinceridade! Sei bem como é estar esperando muito por um livro e no fim ele não ser isso tudo e realmente frustrante.
    Vi muita badalação por esse livro mas nãosei se gi empolgação pela darkside ou se pela trama… Eu pensaria mais vezes antes de ler pra ser sincera!

    Talita – http://www.viciadosemleitura.blog.br

    25 de outubro de 2016 às 21:37 Responder
    • Krisna Carvalho

      Talita, tudo bem?

      Esse livro é meio um clássico do gênero, mas eu também acho que muito do frisson causado é por conta da editora. A DarkSide nos presenteia com cada edição fantástica, dá vontade de ter um estoque gigante na estante.

      Beijo

      2 de novembro de 2016 às 13:15 Responder
  • Leituras Compartilhadas

    Eu ganhei esse livro recentemente, e o estou lendo agora. Embora goste de ler sobre psicologia e psicanálise, não sou uma profissional da área, então não posso avaliar da forma que você avaliou. Estou na metade do livro e, por enquanto, estou gostando, mas concordo que alguns diálogos são entediantes. Ainda assim, a leitura está valendo a pena para mim. Gostei muito da sua resenha, parabéns!

    Tatiana

    25 de outubro de 2016 às 23:00 Responder
    • Krisna Carvalho

      Tatiana, tudo bem?

      O que você achou do livro,foi uma leitura bacana? Vou ficar de olho na sua resenha, pra gente trocar umas figurinhas! rs

      beijo

      2 de novembro de 2016 às 13:07 Responder
  • Suzzy Chiu

    Oioi…
    Acho essa edição linda demais da Dark Side, eles arrasam nas capas.
    Eu ainda nao li Menina Má e nem vi o filme, mas fiquei mto interessada.
    Acho que vou ler bem rapido e gostei do que falou do livro, me despertou ainda mais a curiosidade sobre o livro.
    Beijos

    Livros e SushiFacebookInstagramTwitter

    26 de outubro de 2016 às 15:40 Responder
    • Krisna Carvalho

      Olá, Suzzy!

      Acho bacana ler resenhas negativas justamente porque faz eu ficar curiosa. Nem sempre, mas com muita frequência quero ler só pra saber se é ruim mesmo! rs

      beijo

      2 de novembro de 2016 às 13:06 Responder
  • Catharina M.

    Oie
    adorei sua resenha e to mega curiosa pela leitura, essa edição é linda demais e esse enredo, espero gostar muito, boa dica

    Beijos
    http://realityofbooks.blogspot.com.br/

    27 de outubro de 2016 às 17:42 Responder
    • Krisna Carvalho

      Catharina, tudo bem?

      A DarkSide arrasa, né? Edição maravilhoooosa!

      beijo

      2 de novembro de 2016 às 13:04 Responder
  • Karla Samira

    Obrigada!!!! Obaaa!

    31 de outubro de 2016 às 00:33 Responder
  • Ruhh Belle

    Ooi! Eu achava que esse livro fosse surpreendente, mas por tudo o que você disse, já não me chama muito a atenção. Não faz o tipo de gênero que leio muito, mas eu pensava em dar uma chance… Bom, parabéns pela resenha!
    Bjs

    31 de outubro de 2016 às 15:37 Responder
    • Krisna Carvalho

      Ruhh, tudo bem?

      Se não faz seu gênero, talvez não valha a pena investir. Mas olha, muita gente ama essa obra. É questão de gosto mesmo.

      beijos e obrigada pela visita 😉

      2 de novembro de 2016 às 13:04 Responder
  • Kris Oliveira - Conversas de Alcova

    Eu li o livro assim que saiu e pra mim a trama se mostrou completamente diferente que pra você. Eu gostei e até pelo contexto da época acredito que o autor explorou os pontos na obra da melhor maneira que pode, pois como bem sabemos hoje em dia temos mais recursos e mais estudos sobre psicopatia e sociopatia adulta ou infantil do que ele na época em que concebeu a obra.

    31 de outubro de 2016 às 21:18 Responder
    • Krisna Carvalho

      Olá, Kris! Tudo bem? Concordo que hoje em dia temos mais recursos, embora os questionamentos dele sejam ainda muito atuais. O que percebi, entretanto, foi que a psicopatologia não foi explorada não por falta de recursos, pois a própria psicanálise, tão abordada pelo autor, já dava na época uma boa base. Percebi que o autor quis falar sobre outros temas, também polêmicos para a época, deixando a questão principal do livro meio de lado.
      O grande lance da arte é justamente esse, ser capaz de tocar cada pessoa de maneira diferente. A gente leva em consideração muitas coisas: o momento em que a leitura foi feita, a expectativa criada, a subjetividade de cada um, o apreço pelo estilo literário em questão… Então, nem sempre a mesma obra toca de maneira semelhante as pessoas. Não é fantástico isso? Essa possibilidade de cada um vivenciar a arte de uma maneira distinta? rs Adoro!

      Obrigada pelo comentário. Bj

      2 de novembro de 2016 às 13:03 Responder

    Deixe uma resposta