Siga nossas redes:

Resenha – Magônia

Publicado em 10 de setembro de 2016
- Fantasia, Galera, Resenhas

 LIVRO ESPECIALMENTE INDICADO PARA que gosta de narrativas fantásticas, mas que dentro deste gênero conseguem fugir dos padrões. Recomendado para quem busca uma história original, com uma escrita fluida e envolvente. Ideal para ler em momentos que buscamos algo criativo, peculiar e divertido; e quando queremos uma história que não finalize em apenas um livro.

Apaixonei-me por Magônia pela capa. Depois, li a sinopse e caí novamente de amores. Louca por fantasia como sou, achei a premissa empolgante, promissora. Posso dizer uma coisa, devorei o livro! A história, início de uma série fantástica, gira em torno de Aza Ray, uma garota de dezesseis anos que sofre de uma doença respiratória grave, desconhecida e incurável. Ela vive a vida como pode, mas entre as visitas constantes aos hospitais, remédios experimentais, sensação de afogamento e um coração que não está onde deveria, ela tem certeza de uma coisa: a morte se aproxima.

Por conta disso, ela aproveita os pequenos prazeres da vida, seja na companhia da família ou do melhor amigo, Jason. Dentro dessa perspectiva, tudo vai relativamente ‘bem’, até que Aza passa a ter alucinações. Seriam elas causadas pelos remédios? Pela febre alta? Um sinal da proximidade da morte?

Rara no sentido de minha doença estar num palco, de smoking, cantando uma música com um verso no estilo “Baby, você é a única para mim”. E a doença simplesmente fica ali, esperando que eu ande para seus braços abertos e desista de resistir.

O que poderia explicar, de maneira plausível, um navio navegando pelos céus, com seu mastro visível por entre as nuvens? Ou as dezenas, talvez mais, vozes desconhecidas, não humanas, chamando por Aza, dizendo que já está na hora, que ela deve ir? Há explicação para isso, além de loucura? Ninguém acredita que tudo isso seja algo além de fruto da imaginação de uma garota doente. Nem ela mesma concebe a ideia de que algo assim seja possível. Aliás, tem sim alguém. Tem alguém ali que enxerga além das possibilidades mais pragmáticas.

Preciso falar sobre Jason. Um garoto que também carrega uma bagagem cheia de peculiaridades, e que desde criança se tornou o melhor amigo da protagonista. O tipo de garoto que enumera o PI mentalmente para não perder a razão (ou porque está justamente a ponto de perder a razão). Um jovem homem que é metade gênio, metade puro amor. E justamente por conta disso, quando Aza Rey tem uma crise gravíssima, que envolve helicópteros e o peito sendo aberto dentro de uma ambulância após um acidente… Ele não aceita. Ele não acredita. Ele não descansa até descobrir a verdade. Ele quer saber o que está além das nuvens.

Eu { } mais do que [ [ [ { { { ( ( ( ) ) ) } } } ] ] ]

Enquanto isso, a protagonista enfrenta uma realidade até então impensável. Pássaros que falam? Seres híbridos de aves e humanos, capazes de controlar quase tudo através do seu canto? Passarinhos coração, passarinhos pulmão, parceiros de canções, piratas nos céus, um reflexo diferente no espelho, a possibilidade de não se sentir afogando ao respirar, em tudo isso é que Aza Rey, de repente, se vê envolvida. E é essa a história que a autora vai desenvolver, nesta série fantástica que começou com o pé direito.

Magônia é um livro incrível, e se tornou um dos meus favoritos no estilo. Com uma escrita limpa, muitas vezes poética e repleta de simbolismos, a autora vai construindo uma teia de possibilidades, capazes de despertar no leitor todos os tipos de sensações, um verdadeiro paradoxo: coração acelerado, amor transbordando, sentimentos dúbios pelo mesmo personagem, esperança de que tudo dê certo, vontade extrema de ver o circo pegar fogo. Isso é Magônia. Não é só uma fantasiazinha. Não é só mais um romance adolescente. Tem muitas questões envolvidas na história, que não foram citadas nesta resenha propositalmente. Falar de uma guerra iminente, destruição da raça humana, pra quê? Sem necessidade, não é mesmo?

E se eu for uma âncora, um empecilho, a prendendo a rochas? Isso não é mais somente Jason e Aza. Não sou mais eu correndo contra a morte para salvá-la. Somo nós dois correndo contra o impossível.

A edição, como já é de praxe da Editora Record, está simples e bonita. A capa, maravilhosa, a diagramação, dentro daquilo que se espera de um livro de qualidade. Ou seja, vale a pena ter este livro, pelo que ele mostra por fora e principalmente pelo que ele oferece no decorrer das páginas.


Livro: Magônia
Autora: Maria Dahvana Headley
Lançamento: 2016
Editora: Galera Record
Páginas: 308
Sinopse: Uma fantasia original com ótimos personagens, complexidade emocional e um universo fantástico. Aza Ray nasceu com uma estranha doença incurável que faz com que o ato de respirar se torne mais difícil. Aos médicos só resta prescrever medicamentos fortes na esperança de mantê-la viva. Quando Aza vê um misterioso navio no céu, sua família acredita que são alucinações provocadas pelos efeitos do medicamento. Mas ela sabe que não está vendo coisas, escutou alguém chamar seu nome lá de cima, nas nuvens, onde existe uma terra mágica de navios voadores e onde Aza não é mais a frágil garota enferma. Em ”Magônia”, ela não só pode respirar como cantar. Suas canções têm poderes transformadores e, através delas, Aza pode mudar o mundo abaixo das nuvens. Em uma brilhante e sensível estreia no gênero young adult, Maria Dahvana Headley constrói uma fantasia rica em nuances e cheia de simbolismo.

Você também poderá gostar de

8 Comentários

  • Amanda Mello

    Oi Krisna! 😀
    Acredita que eu ainda não conhecia esse livro? Sério, ainda não tinha escutado falar e foi nessa semana ainda, se não me engano, que estava reclamando para uma amiga que o nosso gênero favorito (fantasia) estava sumido. Veja bem: eu estava errada. O.O Tenho que fazer mais visitas a blogs e ficar mais atenta, já vi pela sua resenha que estou perdendo um livro maravilhoso e com muita fantasia, do jeito que eu amo ler! <3 Espero colocar minhas mãos logo em Magônia e vou correndo contar para a minha amiga sobre esse livro!!! Obrigada pela indicação! 😉

    Beijos e até logo!

    12 de setembro de 2016 às 04:03 Responder
    • Krisna Carvalho

      Amanda, mulher, se você gosta de fantasia, cai dentro desse livro! Mas olha, não é único. E termina daquele jeito, cheio de possibilidades, boas e ruins. O que mais gostei foi o fato dele ter personagens muito diferente do que estamos acostumadas no mundo fantástico. Pelo menos eu nunca tinha visto nada assim…

      Beijos e obrigada pelo comentário 😉

      12 de setembro de 2016 às 13:09 Responder
  • Morgana Brunner

    Oiii Krisna, tudo bem?
    Menina confesso que me senti bem perdida durante a leitura, achei sei la a leitura meio estranha…mas a capa em si despertou bastante meu interesse, mas a fantasia em si que tu trouxestes na resenha querendo ou não me deixou querendo saber mais e mais da obra.
    Beijinhos

    12 de setembro de 2016 às 13:52 Responder
  • Marijleite

    Olá, a capa do livro já tinha chamado a minha atenção, mas eu ainda não sabia do que se tratava. Após ler a sua ótima resenha, é uma leitura que eu quero fazer, especialmente por me parecer que a autora tem uma escrita bonita, além de pelo seu post a história parecer bem interessante e curiosa.

    12 de setembro de 2016 às 17:07 Responder
  • Marijleite

    Olá, a capa do livro já tinha chamado a minha atenção, mas eu ainda não sabia do que se tratava. Após ler a sua ótima resenha, é uma leitura que eu quero fazer, especialmente por me parecer que a autora tem uma escrita bonita, além de pelo seu post a história parecer bem interessante e curiosa.

    12 de setembro de 2016 às 17:07 Responder
  • Livros & Tal

    Oie Krisna!
    A capa do livro é muito linda e confesso que não o conhecia, não tinha visto. A sua resenha está muito bem feita, mas infelizmente pude perceber que ele não faz muito o meu estilo de leitura

    beijos
    Mayara
    Livros & Tal

    13 de setembro de 2016 às 00:18 Responder
  • Suzana Chaves Linhares

    Olá! Que capa linda! Não conhecia o livro e achei a história bem interessante. Amo fantasia e fiquei curiosa para saber o que ela é de verdade. beijos!

    Entre Livros e Pergaminhos

    16 de setembro de 2016 às 02:43 Responder
  • Gabrielly Marques

    Heey Krisna, tudo bem? Eu estou maluca para ler esse livro, e ainda mais ansiosa depois de saber tua opinião sobre ele. A premissa é incrível e original, e mal posso esperar para embarcar nessa história. E o fato de a escrita da autora ser poética e a narrativa repleta de simbolismos só me deixa mais curiosa! Espero ter a oportunidade de ler em breve 😀
    Sua resenha ficou ótima! Adorei as fotos!

    Beijos

    18 de setembro de 2016 às 02:45 Responder
  • Deixe uma resposta