Siga nossas redes:

Resenha – Gratidão

Publicado em 9 de janeiro de 2017
- Sem classificação
Livro: Gratidão
Autor: Oliver
Sacks
Lançamento: 2015
Editora: Companhia das
Letras
Páginas: 64
Classificação do
Skoob:
4,3
Onde comprar: Amazon |
Submarino
*E-book do
acervo pessoal
Conheci algumas obras do Oliver Sacks na minha graduação em psicologia. Entrei em contato
com sua escrita fluida e coesa, com textos e contos que explicavam o
inexplicável de maneira às vezes triste, noutras divertida, mas sempre muito
lúdica. Tornei-me fã desse senhor neurologista e escritor e tantas outras
coisas. Sobre seu último livro escrito é a resenha de hoje.

Gratidão
é um pequeno livro cheio de sentimento. Em minha opinião, não haveria nome mais
acertado para essa obra. O livro é composto de quatro ensaios escritos pelo
autor, após descobrir que tinha pouco tempo de vida. Nos textos, originalmente
publicados pelo jornal The New York Times, descobrimos mais não somente sobre a
própria jornada de Sacks ou sobre sua personalidade, mas sobre a sua visão com
relação à velhice, vida e a morte iminente. 

“Acima
de tudo, fui um ser senciente [que sente], um animal que pensa, neste belo
planeta, e só isso já é um enorme privilégio e uma aventura.”

O
meu receio ao iniciar a leitura no fim do ano, numa época em que estamos naturalmente
mais sensíveis e reflexivos, era de que uma bad total tomasse conta de mim.
Poxa, ler sobre morte justamente quando pensamos em renascimento, em novas
possibilidades? Felizmente meio receio era infundado. Gratidão fala justamente
sobre isso, sobre ser grato por todas as vivências, sejam elas boas ou ruins. O
livro fala sobre acontecimentos que marcam nossa vida. Sobre momentos que nos
tornaram quem somos e sobre o que decidimos fazer com esses instantes cheios de
importância. Aproveitamos? Fomos felizes? Fizeram sentido ou foram vis?  E o que queremos fazer com o tempo que nos
resta?

“Quem
morre não pode ser substituído. Deixa lacunas que não podem ser preenchidas,
pois é o destino – destino genético e neural – de todo ser humano ser indivíduo
único, encontrar seu próprio caminho, viver sua própria vida, morrer sua própria
morte”.

Gratidão
é um livro curto, daqueles que a gente pode ler em poucas horas. Não é de todo
triste, embora o tema finitude esteja presente. Acredito que a intenção do
autor foi justamente mostrar que, mesmo no fim da vida, é possível sentir-se
bem e grato. Essa é uma obra que indico para todos os fãs de Oliver Sacks, e
para aqueles leitores que gostam de livros que são capazes de promover reflexão
e alcançar a alma.   

“Desejo
e espero, no tempo que ainda me resta, aprofundar minhas amizades, dizer adeus
àqueles a quem amo, escrever mais, viajar, se tiver forças, atingir novos
patamares de compreensão”

 “Não consigo
fingir que não estou com medo. Mas meu sentimento predominante é a gratidão.
Amei e fui amado, recebi muito e dei algo em troca, li, viajei, pensei,
escrevi. Tive meu intercurso com o mundo, o intercurso especial dos escritores
e leitores”.

 

Você também poderá gostar de

18 Comentários

  • Palavras e Notas

    Não sou de ler biografias ou qualquer coisa semelhante, exceto quando me interessa muito, o que acontece agora. Nunca tinha ouvido falar do autor, é a primeira vez e nutro agora uma curiosidade imensa por este pequeno livro, em especial. Sabe me informar se tem versão impressa? eBook não dá muito certo comigo ;-;

    Amei a resenha e a menção do livro não ser somente um livro "triste", e esse com certeza vai pra listinha!

    Abs,
    – J.

    9 de janeiro de 2017 às 16:44 Responder
    • Krisna Carvalho

      Olá, J. Tudo bem?

      Tem versão física sim, belíssima por sinal. Maior que uma versão de bolso, mas menor que um exemplar "tradicional". Em capa dura, diagramação primorosa, valor super caparada em sites como amazon. Naqueles links ao lado da capa, Onde comprar, você pode ficar por dentro dessas informações 😉

      Obrigada pela visita.

      9 de janeiro de 2017 às 16:47 Responder
    • Palavras e Notas

      aaahhh que notícia maravilhosa! *—-*

      Vou dar uma olhada <3

      Tudo ótimo, espero que contigo também. :3

      10 de janeiro de 2017 às 23:27 Responder
  • Gêmea Má

    Oooi!!

    não conhecia o autor! Deve ser uma coisa muuito gratificante colocar nossos sentimentos com relação à morte (sejam positivos ou não) num papel e ter quem leia e te apoie. Achei isso muito legal.
    mas eu sicneramente não leria, muito depre misturado com namaste pra mim hehehe

    bjbj

    10 de janeiro de 2017 às 00:04 Responder
    • Krisna Carvalho

      Hahahahahahaha não é deprê não, mas tem namastê a beça!

      Obrigada pela visita!

      Beijo

      10 de janeiro de 2017 às 10:41 Responder
  • Lana Silva

    E a primeira vez que vejo algum livro desse autor, e quando você citou que conheceu suas obras na sua graduação de psicologia, já me interessei na hora, pelo fato de que atualmente sou estudante de psicologia. Com certeza o tema abordado no livro, e bem sentimental, triste, e que nos faz refletir, principalmente por falar sobre a morte, mas o autor usa maneiras de nos tocar, e isso e algo bem importante. Gostei bastante da premissa desse livro, espero ter a oportunidade de lê-lo.

    10 de janeiro de 2017 às 10:36 Responder
    • Krisna Carvalho

      Lana, tudo bem? Provavelmente vc verá algo dele quando estudar memória, percepção e etc. Caso não veja, vale super a pena, pois ele fala de transtornos que nos são comum na profissão.

      Obrigada pela visita!

      10 de janeiro de 2017 às 10:40 Responder
  • Naime Martins

    Não conhecia esse autor… Mas me interessei por esse livro, parece ser muito bom! Adoro esse tipo de temática, deve ser um belo livro, com muito ensinamentos, os quotes são maravilhosos!

    10 de janeiro de 2017 às 16:08 Responder
  • Alison de Jesus

    Olá, vejo que a leitura desse livro nos revela uma nova faceta da certeza inegável que é a Morte e nos faz refletir sobre nossas vidas. Beijos.

    12 de janeiro de 2017 às 20:48 Responder
  • Adriana Holanda Tavares

    Esse título é meio que um chamado para que nos percebamos de tudo o que somos, de tudo o que j´pa conseguimos até hoje e das experiências que carregamos, a palavra gratidão é bela, porém super esquecida, acho que vou amar ler esse livro!

    14 de janeiro de 2017 às 22:53 Responder
  • Rossana Batista

    Não conhecia o livro mas fiquei bem curiosa já de ver o nome do título.
    É tão bom ler livros que nos trazem uma reflexão, algo a mais do que apenas as linhas que estão escritas ali.
    Por esse motivo fiquei bem curiosa pra ler.

    15 de janeiro de 2017 às 17:47 Responder
  • Pamela Liu

    Oi Krisna.
    Não conheço a autor, mas achei o tema do livro bem interessante. Acho que é sempre bom fazer reflexões sobre como nos sentimos e pelo que estamos passando e sermos gratos pelo que nós temos.
    Espero que o livro não seja muito caro. Vou dar uma conferida na livraria.

    16 de janeiro de 2017 às 04:24 Responder
  • Roberta Moraes

    Que interessante a história do livro.
    Escrever um livro sobre esse tema deve ser bem difícil. Imagino que seja um livro profundo e tocante… Escrever sobre acontecimentos da nossa vita e sobre ser grato por todas as coisas que nos acontecem… Taí, me deixou bem animada pra conhecer mais da história.

    17 de janeiro de 2017 às 02:57 Responder
  • Kris Soares

    Oi, ainda não tinha ouvido falar desse autor nem do livro. Na verdade não faz muito meu estilo de leitura, mas pra quem gosta deve ser algo interessante ter uma visão positiva do fim da vida.

    17 de janeiro de 2017 às 16:56 Responder
  • suzana cariri

    Oi!
    Ainda não conhecia esse livro mas fiquei bem curiosa sobre essa historia, o enredo dele logo me conquistou e gostei de saber que não é um livro muito triste, mas sim parece acabar nos trazendo uma historia de reflexão, achei bem interessante a historia poder trás desse livro !!

    28 de janeiro de 2017 às 02:14 Responder
  • Helen A.Z

    Ah,Oliver Sacks é incrível,o conheci com o livro que está na foto "O homem que confundiu sua mulher com um chapéu", as experiências que ele compartilha são simplesmente de expandir a mente,de conversar com a alma.
    Linda sua resenha.

    29 de janeiro de 2017 às 17:47 Responder
  • Cristiane de Souza

    Oi Krisna…
    Até hoje não li nada do autor… Mas adoro obra que trazem ensinamentos que nos fazem refletir… Anotei o título do livro e com certeza vou lê-lo em algum momento…
    Beijinhos…

    30 de janeiro de 2017 às 03:41 Responder
  • Mayla Lima

    Que livro fantástico. Infelizmente não conhecia o autor, mas gostei do tema que ele abordou no livro. As mensagens que ele traz são tão belas, coisas que não pensamos no dia a dia, mas que alguém que sabe que está dizendo adeus deve pensar a todo o momento. Acho que você leu este livro no momento certo, afinal o que é um recomeço sem pensar e refletir sobre o se foi, o que já aconteceu?! Adorei a dica e resenha.
    Abraço!
    A Arte de Escrever

    30 de janeiro de 2017 às 17:17 Responder
  • Deixe uma resposta