Siga nossas redes:

Resenha dupla – Broken Pieces + Full Circle

Publicado em 20 de setembro de 2016
- Sem classificação
Livro: Broken Pieces + Full Circle | Autora: Riley Hart | Lançamento: 2014 | Editora: Riley Hart
Páginas: 339 / 229 | Classificação do Goodreads: 4,19 / 4,1 Onde comprarAmazon
*Ebook do acervo pessoal  – Versão em inglês
Não
é mais surpresa para muita gente, já que anunciei aos quatro cantos do mundo,
que curto muito um romance gay. Creio
que o que me prende tanto aos romances desse gênero, é a força e a coragem que a
maioria dos personagens demonstra ter. Consigo
apenas imaginar como, em nossa sociedade medíocre, é difícil ser quem você é, e
ter que lidar com a ignorância de certas pessoas, apenas por amar quem você
ama.

Como
hétero, para mim, é muito cômodo amar um homem. Já para aquela mulher que ama
outra mulher, ou para aquele homem que ama outro homem, foi e ainda é uma luta
viver em uma sociedade como a nossa. Mas
ainda não perdi as esperanças que o mundo vai mudar, aos poucos já está
mudando, e por fim iremos aceitar os seres humanos do jeito que eles são, por
dentro e por fora, sem máscaras ou ilusões.
Dito
isso, posso começar a divagar a respeito do meu novo xodó. Antes de tudo, esses
dois livros são para aquelas pessoas que têm corações fortes, um romance dark
que vai te prender do começo ao fim. Essa história vai colocar o mundo certinho
de vocês de cabeça para baixo.
A
maioria dos romances M/M que li sempre foram muito doces, bem romantiquinhos,
fofinhos.  Porém, nessa duologia, coloquei tudo que aprendi sobre romances
gay para trás e me joguei em um livro nada convencional repleto de amor,
paixão, preconceitos, traumas… E tirei, de uma vez por todas, a dúvida de que
a Riley Hart é a rainha desse gênero!
Mencionei
também que esse casal na verdade é um trio? Pois é, essa história não é apenas
de dois homens apaixonados um pelo outro, e sim o romance de três homens que se
amam loucamente, igualmente, e que são capazes de tudo e mais um pouco para
ficarem juntos.  Eu me apaixonei por cada um deles, pelo o
advogado, pelo membro de gang, e pelo menino com estrelas nos olhos. Mateo,
Josiah e Tristan.
 “Nothing
in this world was complerely black or white. Wrong or right. Or if it
was, what mattered was whose eyes it was being seen from”.

A
história começa com o Josiah e Mateo, ainda adolescentes, um com 16 anos e o
outro com 17 anos. Pelo acaso do destino, Mateo vai parar na mesma casa que o
Josiah vive com sua família adotiva, depois de seu pai ter sido preso por
tráfico de drogas, o serviço social o coloca na mesma família de Josiah. Dessa
forma a gang em que ele foi criado, não pode pegá-lo. Já o Josiah perdeu seus pais
cedo, e passou por várias casas adotivas.
Logo
de início ambos não conseguem se comunicar, Mateo por ser fechado e o Josiah
por ser tímido. Mas com o tempo, esses dois vão criando um forte laço de
amizade, até que se torna algo mais. Mais forte, mais intenso. E se veem
apaixonados um pelo outro.
Josiah
aos poucos mostra ao Mateo que ele é merecedor de receber amor, de amar e ser
amado.
Mateo
nunca enfrentou sua opção sexual, primeiro por ter sido criado ao redor de
pessoas intolerantes e segundo por ter passado por situações na sua infância
que o moldaram em quem é atualmente. Já o Josiah sempre soube que era gay, mas
nunca havia sentido nada por ninguém, até que eles se encontram. Sempre teve um
coração enorme, e é o tipo de pessoa que consegue tirar o melhor de qualquer
pessoa e situação.
Durante
um tempo eles passam a ficar juntos em segredo, até que tudo dá errado e Mateo
precisa deixar Josiah e seguir para NYC, bem perto do local que sua antiga gang
fica.  O que o deixa surpreso mesmo, é que Josiah
também foge de casa para encontra-lo. E nada, quero dizer nada mesmo é fácil
para esses meninos. Eles começam então a passar um tempo morando na rua,
sobrevivendo do que o Mateo sempre foi ensinado a fazer, traficar.
Mesmo assim, estando na pior situação, eles conseguem ser felizes, juntos eles
são mais fortes. Apesar de que o Mateo sinta culpa por não poder oferecer o
melhor para o Josiah, ele o protege, e isso é tudo o que ele sempre fez e quis.
Algum
tempo passa e as coisas entram em colapso novamente, dessa vez o que estava
ruim se torna terrível. E novamente Mateo e Josiah precisam se separar, sendo
que agora por quase 9 anos. Nesse
meio tempo, Josiah tenta se encontrar, tenta perseguir o sonho que eles sempre
desejaram. Apesar de se sentir vazio, de não ser mais quem ele era.
“All he knew was all those empty rooms inside him…”
E
como a vida gosta de nos surpreender de vez em quando, ela coloca o Tristan no
caminho do Josiah.
“There aren’t laws for emotions, Tristan. There isn’t a magical timeframe where it’s okay to fall in love with someone or okay to fall out of it. Emotions don’t play by rules. That’s what makes them so incredible.”
Gente,
não sei nem como descrever o Tristan. Senti uma super ligação com ele. É o tipo
de personagem que você torce para que no final tudo melhore para ele. Na
verdade, seria injusto dizer que não senti isso pelos três. Porém, o Tristan
consegue ser ainda mais intenso, mais fechado do que o Mateo, apesar de ambos
possuírem traumas pesados e os carregarem até atualmente. Tristan ao se
aproximar de Josiah, começa a sentir, pela primeira vez em sua vida. Percebe
que, por mais que negue, ele precisa do Josiah.
Josiah
sente que começou a ser quem era antes, a viver novamente, e ama o Tristan da
mesma forma que continua a amar o Mateo. Intensamente, sem limites. Até
que o Mateo volta para sua vida. Suas vidas, já que agora Tristan e Josiah
estão juntos.
Antes
nada era fácil para o Josiah e o Mateo, assim como com o Tristan e Josiah
também nada é fácil. Mas a luta se torna ainda mais difícil quando os três se
juntam. Tristan, Mateo e Josiah.
“Three broken me. Three broken pieces”.
Tristan
sempre soube de tudo a respeito do Mateo, e sabe que o Josiah sempre o amará.
Então quando Mateo retorna, ele não esperava se vê em Mateo. Ele não esperava
sentir o mesmo que sente pelo Josiah, não esperava precisar do Mateo.

“ I want to give myself to you both, every part of me, but I don’t know
how. Show me how.”

Com
Josiah ele sente que pode ser salvo, que está vivo. Já sua conexão com o Mateo,
é no sentindo de cada um achar um semelhante no outro. Por terem passados por
situações parecidas quando eram mais novos, por se sentirem perdidos e vazios.
Se
foi linda a forma como Josiah e Mateo se apaixonaram, a forma como o Tristan e
o Mateo se apaixonam é arrebatadora.
“I
will never love anyone except the two of you. Mi precioso. Mi pieza perdida.”
 Dessa
forma os três se veem presos um ao outro. Josiah, sendo a cola que o mantém
unidos, sendo a pessoa que os fazer sentir, que os ajuda a esquecer seus
traumas. Juntos os três se tornam completos, parte de um todo.
“Emotions
don’t play by rules. That’s what makes them so incredible.”
Essa
é a base dos dois livros, a história é muito mais profunda que tudo isso que eu
falei, muito mais intensa e surpreendente. Vi-me torcendo, sorrindo, arrancando
os cabelos e chorando, com tudo o que eles passam e passaram. Fico em êxtase
quando a leitura me faz sentir tudo isso, como se eu tivesse lá dentro da
história com eles, sentindo tudo o que eles sentiam.
E
como se não bastassem os protagonistas serem fantásticos, a autora teve que
escrever sobre personagens secundários maravilhosos. Como é o caso do Ben, da
Rhonda, mãe do Tristan, e do Elliot.  
No
primeiro livro me senti em uma montanha russa de emoções, cada vez que percebia
que mais um ano estava passando ficava angustiada que as coisas ainda iam
piorar antes de melhorarem. Torcia com todas as forças para que tudo terminasse
bem no final.
Também
no primeiro livro muitos anos se passam, já no segundo a maioria das coisas
acontecem no mesmo ano, até por que começamos o segundo livro já com o Tristan,
Mateo e Josiah juntos. Mas não se iludam, apesar de estarem juntos e felizes,
nada é perfeito.
Falei
lá em cima que Broken Pieces e Full Circle formam uma duologia,
mas na verdade eles fazem parte de uma trilogia, porém o terceiro livro é do
Ben! o/ <3
A
má notícia é que os livros foram publicados apenas em inglês. 🙁
Não
gostei tanto das capas, eles mereciam uma capa mais bonita, mas ainda bem que
isso não interfere em nada, né?!
Amei, me apaixonei perdidamente pela história desses três. Se vocês curtem
romance dark, uma história onde nada é totalmente perfeito, com protagonistas
apaixonantes, não deixem de ler Broken Pieces.

 

Sinopse: Can three broken pieces make a whole? Josiah Evans is the orphan who lost both his parents. He’s sweet, shy, and all heart. He wants nothing more than to be loved. Mateo Sanchez is the son of a gang leader. He’s seen it all, and never hesitates to do what needs to be done, no matter what it is. Tristan Croft is the wealthy attorney who clawed his way up from the bottom to rule his own world. He’ll never depend on anyone but himself again. Three men who couldn’t be more different…and yet, as their lives intersect they find an uncommon balance that calms the storms inside each of them, and ignites fires hotter than they ever thought imaginable. Told in three parts and spanning over ten years, BROKEN PIECES is a journey of healing for three fragmented souls, finding love in the unlikeliest of places—with each other.

Sinopse: Nothing in life is ever easy, and no one is more painfully aware of that than Josiah Evans, Mateo Sanchez, and Tristan Croft. They know what they want—each other—but with three people as broken as they are, all those pieces aren’t so easily mended. Josiah is their glue. All he wants is to give his men what they need. Mateo wants to absolve himself of his sins. To be worthy of love and to protect it. Tristan must let go of his past, must learn how to need, and what it really means to take care of someone. To keep the balance intact, they all have their roles to play. But what happens if the balance shifts? What happens when someone doesn’t play the right part? If one of them falters, they all feel the strain. The only way to complete their full circle is for all their pieces, despite the curves and rough edges, to fit together perfectly. To do that, Josiah, Mateo, and Tristan must learn to get over the pasts that have defined who they are. And when an old enemy returns and threatens the foundation of their new life, decisions will be made, and boundaries will be tested that could change their lives forever.

  

Você também poderá gostar de

24 Comentários

  • Rosana Gutierrez

    Olá
    Resenha bem elaborada, mas a temática não me atrai. Não gosto desse gênero de livro 🙂
    Bjs

    21 de setembro de 2016 às 00:08 Responder
  • Suzzy Chiu

    Hello! Tudo bem?
    Gosto de romances e até hoje nao li nenhum roamne gay, mas nao tenho problema com isso, acho que foi falta de oportunidade memso.
    Não conhecia Broken Pieces + Full Circle, mas achei a história bem feita, acho que vou gostar mto.
    Só a capa que nao gostei mto, mas com uma historia interessante assim, ate ignoro.
    Já quero saber das reviravoltas e tudo mais.
    Otima resenha, vou tentar ler depois.
    Beijos

    Livros e SushiFacebookInstagramTwitter

    21 de setembro de 2016 às 16:09 Responder
    • Gabriella Santos

      Oi Suzzi! Tudo beleza. Tudo certo com você também? 🙂
      Obrigada por ter gostado da resenha. <3
      Como você nunca leiu nenhum romance gay e se você ler em inglês te aconselho a ler a trilogia Temptation da Ella Frank, primeiro, os livros são demais!
      E com uma temática mais leve.
      Também não curti a capa, mas quando a leitura compensa a gnt acaba esquecendo esses detalhes , né?
      Bjss

      23 de setembro de 2016 às 12:46 Responder
  • Thatyane

    Oi, achei sua resenha muito bem estruturada, mas os livros em questão não fazem o meu estilo, e a premissa dos livros não me atraiu, mas para quem curte é uma ótima pedida.
    bjus

    21 de setembro de 2016 às 18:34 Responder
  • Leticia Golz

    OI, Gabi
    Polêmica, polêmica para essa capa hahah
    Ainda não conhecia as obras, porém gosto bastante de histórias fortes e intensas assim. Em se tratando de um tema tão atual assim, só poderia render uma história intensa.
    Fico feliz que tenha aproveitado a leitura e se conectado assim com os personagem. Iss o é essencial para um livro nos conquistar.

    21 de setembro de 2016 às 21:13 Responder
    • Gabriella Santos

      Oi Letícia!
      Essa capa realmente é polimica, hahah
      O tema todo na verdade,né?
      Se curte histórias intensas, cheias de alto e baixos… então, se joga garota!:D
      Bjss

      23 de setembro de 2016 às 12:49 Responder
  • Karine Fernandes

    Gostei bastante como você soube equilibrar as duas resenhas. Pena que ele é do acervo em inglês. Eu ainda não li nenhum livro com o foco em casa gay mas acho interessante. Espero ler em breve um.
    Beijos.

    22 de setembro de 2016 às 18:14 Responder
    • Gabriella Santos

      Oi Karine!
      Obrigada por ter curtido a resenha. <3
      Como você nunca leu nenhum livro m/m, meu conselho é que você pode começar pela serie Temptation da Ella Frank, com uma temática mais leve,e livros super gostosos de se ler.

      bjs

      23 de setembro de 2016 às 12:51 Responder
  • Gabriela Cerqueira

    Olá, amo romances gays, mas só conheço os da vida real com meus amigos HAHA, não conferi ainda nenhum literário, mas quero muito, acho que só foi falta de oportunidade, o livro parece ser bastante intenso, e mesmo sendo um pouco chatinha com livros que tratam de triângulos amorosos, daria uma super chance para esse.

    23 de setembro de 2016 às 14:25 Responder
  • Jess Leite

    Olá!
    Apesar da sua ótima resenha, os livro não despertaram meu interesse e o fato de só terem sido publicados em inglês também me desanima.
    Mas gostei de saber que os protagonistas são bem construídos, assim como os personagens secundários.
    Também acho que as capas mereciam algo mais bonito =[
    Beijos!

    23 de setembro de 2016 às 15:18 Responder
  • Atraentemente Evandro

    Uma resenha perfeita. Ainda não li nenhum romance do gênero, mas já assisti a filmes, acho que mais leves, mas de igual importância: O Segredo de Brokeback Mountain, Flores raras com a Gloria Pires (baseado em história real) e o excelente Hoje eu quero voltar sozinho. Quando o enredo é bem construído, acredito que o preconceito acaba ficando em segundo plano e torcemos sempre por um final feliz. Parabéns pela cabeça bem resolvida, pena que a grande maioria não tem o mesmo pensamento.

    *☆* Atraentemente *

    24 de setembro de 2016 às 01:29 Responder
  • BelGoes

    Olá, tudo bem?

    Adoro romances, mas os gays não me atraem, não por faltar testosterona, mas por não conseguir me colocar no lugar dos personagens. Acontece o mesmo com new adult, eu tento, mas eles não me pegam, não me deixam presa na trama.

    Meu preconceito não é com a temática, é que não entro na história. Se não entro na história ela não me pega.

    bjsss

    26 de setembro de 2016 às 15:22 Responder
  • Livros & Tal

    Olá Gabi…
    Nossa que livro mega diferente!
    Não tenho preconceito nenhum em relação a livros gays ou nada disso, tanto que já li vários. A história parece ser interessante, mas não sei… algo me deixou meio indecisa… não sei se o leria o não

    beijos
    Mayara
    Livros & Tal

    26 de setembro de 2016 às 20:29 Responder
  • Carol Oliveira

    Oi Gabi, Nunca li nenhum romance gay, mas deve ser uma experiência bem legal e diferente!
    Uma pena que eles sejam em inglês, pois eu não leio nada em inglês.. :/

    Beijos
    http://www.paraisoliterario.com

    27 de setembro de 2016 às 01:43 Responder
  • Livreando

    Olá Gabriella,
    Para quem gosta do gênero, é realmente um livro bem envolvente e dinâmico, mas não faz o meu estilo, ainda mais envolvendo um triângulo.
    Bjim!
    Tammy

    27 de setembro de 2016 às 16:39 Responder
  • Thayenne Carter

    Olá,

    Nunca li nada hot do gênero, já li os fofinhos que você citou e outros mais leves, mas nada comparado a essa duologia. Confesso que não é um gênero que leio sempre, mas se a premissa me interessar porque não?
    Mesmo me chamando a atenção, não leio em inglês 🙁 por isso deixo a dica passar.

    Beijos,
    entreoculoselivros.blogspot.com.br

    27 de setembro de 2016 às 23:51 Responder
  • Coleções Literárias

    Olá.
    Não conhecia os livros. Gosto do nome Tristan e realmente é bem legal quando temos em um livro um personagem que torcemos por ele, isso deixa a leitura mais fluida e interessante.
    ótima resenha, mas eu não leria os liros.
    bjs

    28 de setembro de 2016 às 05:37 Responder
  • Livros Encantos

    Ola Gabi lindona ainda não li um livro gay que seja um trio e com sentimentos em proporções iguais, pelo visto a construção dos protagonistas foi muito feita, cada um com seus problemas e medos para enfrentar. Uma pena ainda não ter em português, eu até leio em inglês mas a passos de tartaruga rss. beijos e ótima dica.

    Joyce
    http://www.livrosencantos.com

    28 de setembro de 2016 às 12:23 Responder
  • Ana Carolina Lopes

    Oi Gabi!
    Sabe, diferente de você eu adorei a capa, não sei porque mas achei ela tão linda 🙂
    Gostei muito da sua resenha também,a forma que você falou do livro me deixou bem curiosa pra ler 🙂
    Abraços

    28 de setembro de 2016 às 13:00 Responder
  • Catharina M.

    Oie
    que legal as resenhas, ambos parecem ser legais apesar de não ser um gênero que aprecio e procuro por agora, não conhecia ainda mas legal o enredo em geral

    Beijos
    http://realityofbooks.blogspot.com.br/

    28 de setembro de 2016 às 13:59 Responder
  • Vivianne Sophie

    Olá,

    Eu tenho arriscado em algumas leituras em inglês ultimamente e eis que adorei sua resenha, justamente por estar neste idioma e pela premissa que é no mínimo bem intrigante. Adorei a intercalação das histórias e sua resenha ficou perfeita.

    Abraços,
    Cá Entre Nós!

    29 de setembro de 2016 às 16:32 Responder
  • Ruhh Belle

    Oooi! Tudo bem? Sério, esse layout é a coisa mais linda 😮
    Então, eu gosto de romances, mas nunca li um no gênero LGBT, e para ser sincera, não é muito a minha praia. Respeito muito, mas não me sinto confortável lendo, sabe? Parabéns pela resenha 🙂
    Bjs

    6 de outubro de 2016 às 20:29 Responder
  • Deixe uma resposta