Siga nossas redes:

Resenha – The Bird and The Sword

Publicado em 12 de setembro de 2016
- E-book, Em Inglês, Fantasia, Independente, Para ficar de olho, Projetos, Resenhas

LIVRO ESPECIALMENTE INDICADO PARA quem busca uma história fantástica que é ao mesmo tempo surpreendente e poética. Ideal para ler em momentos que buscamos algo que seja encantador e que nos prenda e emocione durante toda a narrativa. Somente em inglês.

Finalizei, alguns minutos atrás, a leitura de The Bird and The Sword. E ainda sinto ressoar em meus ouvidos as rimas da Lark. Comecei a leitura sem grandes expectativas, apenas sabendo o básico: Amy Harmon era quem havia escrito, que o livro tinha uma pegada de fantasia e romance, e que ele estava super bem avaliado no Goodreads. Não esperava me apaixonar tanto pelo mundo que a Amy genialmente criou.

O outro livro que li da autora, Beleza Perdida (Making Faces, título original), teve o tipo de historia que permaneceu comigo por um tempo, e sinto que vai acontecer o mesmo com The Bird and The Sword. (Amei este título, combinou muito com a história). Fiquei fascinada com a capacidade da autora de pegar um gênero, que até então nunca havia escrito, e se apossar dele da forma como ela fez. Autores que escrevem fantasia sempre me deixam meio encantada com sua criatividade, seja de criar mundos ou personagens. E Amy se tornou um desses autores que me encantam. O livro agora faz parte do meu top 10 favoritos de fantasias.

Normalmente não costumo falar muito da história do livro, já que temos sinopse para isso. Mas sinto que com este preciso dar alguns esclarecimentos sobre a base do enredo. Logo no prólogo somos inseridos da melhor maneira no livro, um mergulho de cabeça na historia. No comecinho vemos que o enredo será repleto de magia, traições, reviravoltas e, claro, amor.

No começo dos tempos foram criados quatro casais,  sendo dois homens e duas mulheres, e a cada um deles foi dado um dom e nome. Teller, para os que têm visões do futuro, Changer para os que conseguem mudar de forma, Spinner para quem consegue transformar o que toca no que quer, e Healer, para quem tem o poder da cura. A partir desses casais muitos outros “dotados” surgiram. Até que desavenças começaram a acontecer entres os dotados e os que não eram dotados. Nem todos dotados usavam o poder para o bem, e nem todos que não tinham dons tinham problemas com os que o tinham. Porém, quando um dotado Changer se torna rei, e destrói varias cidades, surge um guerreiro humano que o derruba, e toma para si a coroa. Esse rei guerreiro decide que nenhum dotado deve existir, e começa uma caçada a eles.  Mas claro que, apesar da caçada, muitos se ocultam. A nossa protagonista Lark é uma delas.

A mãe de Lark é uma Teller, que sempre se manteve escondida.  Desde que Lark nasceu, escutou da mãe que ela deveria ter cuidado com as palavras que dizia, que elas eram perigosas. As palavras de Lark além de serem perigosas, são poderosas e mágicas. Lark é uma teller, como sua mãe, além de ter o poder fantástico de dar uma palavra a um objeto inanimado e assim torná-lo algo vivo. Ela também tem outros poderes, mas vou deixar vocês descobrirem por conta própria.

Depois de uma tragédia, Meshara, mãe de Lark, antes de morrer diz à filha que ela deve permanecer em silencio. Que não deverá mais falar e, portanto, não usar seu dom. Nossa protagonista conhece o homem que vai mudar seu destino aos cinco anos, antes da morte de sua mãe. E quando eles se reencontram, 15 anos depois, da forma mais inesperada, a vida novamente esta prestes a ser alterada. (Ok, ufa. Dito isso, vocês têm as coisas mais esclarecidas sobre a base da historia. :D)

A Amy Harmon criou, para mim, o melhor dom ever!! Sempre acreditei que as palavras, algumas vezes são sim mais poderosas que ações, e é justamente isso que caracteriza nossa protagonista.  Ela não precisa fazer nada para se provar, ela só precisa falar, dar palavras ao que quer e essa coisa escolhida terá vida. A Lark, apesar de não poder falar, tem outra maneira de se comunicar. <3

Meu coração acelerou com o ritmo da historia, meu sangue correu mais rápido com os personagens. Com um em especial, que no começo não sabia se odiava ou amava. Mas, que aos poucos, conquistou meu coração. Como toda a historia conquistou. Quanto ao romance do livro, muitas vezes fiquei aflita sem saber que rumo as coisas tomariam, tudo parece tão incerto. E quando as coisas vão se encaixando, aos poucos, só podemos bater as mãos e torcer loucamente, para que no final tudo termine bem.O livro é tão mágico que acabei sonhando com a historia. A narrativa flui, como as rimas da Lark, quase como uma canção. Quanto à diagramação, MEU DEUS, lindaa! A cada capitulo temos arabescos, um pássaro e uma espada. Essa é o tipo de capa que não precisa de mais nada para ser arrasadora, e junto com esse título conseguiu incitar minha imaginação. Por favor, por favor, se você gosta de fantasia, se você gosta de romance, se gosta do inesperado e mágico, não deixe de ler esse livro!


Livro: The Sword and The Bird
Autora: Amy Harmon
Editora: Createsoace Independent Publishing
Lançamento: 2016
Páginas: 354
Sinopse: Sinopse: Engula, Filha, coloque para dentro essas palavras que paíram em seus lábios. Tranque-as profundamente dentro de sua alma, esconda-as até elas terem tempo para crescer. Feche sua boca sobre o poder, não amaldiçoe, não cure, até chegar a hora. Você não falará e não cantará, você clamará pelo céu ou o inferno. Você aprenderá e você prosperará. Silêncio, filha. Mantenha-se viva. O dia em que minha mãe foi morta, ela disse ao meu pai que eu não falaria novamente, e ela lhe disse que se eu morresse, ele morreria também. Em seguida, ela previu que o rei trocaria sua alma e perderia seu único filho para o céu. Meu pai deseja o trono, e ele está esperando nas sombras que todas as palavras de minha mãe venham a acontecer. Ele quer desesperadamente ser rei, e eu só quero ser livre. Mas a liberdade exigirá uma fuga, e eu sou uma prisioneira da maldição de minha mãe e da ganância de meu pai. Eu não posso falar ou emitir um som, e eu não posso empunhar uma espada ou enganar um rei. Em uma terra repleta de encantamento, o amor pode ser a única mágica que resta, e quem poderia amar… um pássaro?

Você também poderá gostar de

Deixe uma resposta