Siga nossas redes:

Pra Ficar de Olho – Tower of Dawn

Publicado em 8 de setembro de 2017
- E-book, Em Inglês, Fantasia, Para ficar de olho, Projetos

LIVRO ESPECIALMENTE INDICADO PARA quem já acompanha a série Trono de Vidro. Ideal para os fãs de fantasia que adoram a perspectiva de se perder em leituras longas e vívidas, de muitos livros e personagens e emoções, de universos novos e reviravoltas de tirar o fôlego. Este livro, assim como toda a série, é recomendada para momentos em que os leitores sentem-se desejosos por algo novo, algo que o encante, algo que o tire da realidade.

Incêndio. Espero que vocês nunca tenham lidado com um antes ou, se tiveram, que tudo tenha corrido bem. Porque incêndios são perigosos. São mais do que mera propagação do fogo e seu terrível estrago, mais do que o ato de acender o mundo em chamas que lambem qualquer coisa possivelmente inflamável.

Eles são destruição, pura e simples.

E o que vocês fazem, ou pelo menos o que são ensinados a fazer, quando se deparam com um incêndio? Vocês devem procurar ajuda, gritar ou ligar ou chamar por ela; ou tentar, por si só, apagar o fogo, com o extintor certo, do jeito certo.

Ela limpou a garganta, pronta para gritar.
Não sobre estupro, não sobre roubo – não sobre alguma coisa que covardes se esconderiam. Grite sobre fogo, a estranha a instruiu. Um perigo para todos. Se você for atacada, grite sobre um incêndio.

Resumidamente, vocês tomarão cuidado ao lidar com ele, seja sozinhos ou com companhia. Ninguém ensinou a vocês ou a mim ou a nós, céus, que devemos nos atirar ao fogo, abraçar a quentura das chamas e dançar com elas. Ninguém. Sarah – Aelin, demonstrou o perigo do fogo. Ele nos foi escrito, praticamente desenhado e aprendido com a experiência que a pura destruição de suas páginas causam. Nós conhecemos os riscos, sabemos que podemos sofrer e que podemos rir e chorar e amar e, consecutivamente, perder. A gente viu. A gente leu. A gente sabe.

E mesmo assim mergulhamos, ávidos, nas labaredas.

Definitivamente, é o que fazemos ao acompanharmos Aelin e Rowan e Chaol e Dorian e Manon e Lysandra e Aedion e todos aqueles personagens maravilhosos que Sarah criou. Eles são, de fato, maravilhosos. Únicos. E puro fogo.

Tower of Dawn é puro fogo.

Tocá-lo… sentir sua intensa luz e calor… causa estrago, causa queimaduras, causa ferimentos. E ferimentos, sejam eles quais forem, causados por incêndios ou não, levam tempo para curar, para cicatrizar, para fazer renascer o tecido que ali foi prejudicado.

E mais do que isso, além dos machucados físicos, dos ralados nos joelhos, dos cortes nos dedos, dos ossos quebrados e corações apunhalados – literalmente ou não –, existem também as feridas psicológicas. Feridas que vão além de uma coluna dilacerada, feridas que vão além de um par de pernas que não podem mais andar.

Há escolhas no meu passado de que me arrependo. Mas posso apenas seguir em frente – e tentar consertá-las. Lutar para ter certeza de que elas não aconteçam novamente. O que não posso fazer enquanto estou nessa cadeira.

Em ToD, acompanhamos Chaol em sua jornada para conseguir a cura, para conseguir que algum curandeiro lhe devolva, de algum jeito, a chance de andar. Contudo, ele se vê diante da perspectiva que seu estado, sua ferida, vai além de seu corpo. Não só o físico o impede de andar – há um ferimento também em sua psique. E é mais do que a dor de promessas quebradas e o peso do mundo, de como ele é e de como poderia ser, em seus ombros. É mais do que culpa e tristeza e o sentimento de que ele falhou – falhou consigo mesmo, com os outros, com seus amigos e seu povo. Uma… escuridão que não é natural está na base de seu corpo, por sua coluna e pernas e pés.  E a escuridão está impregnada ali, se alimentando dele, como um parasita se alimentando de seu hospedeiro.

Que sorte que a melhor curandeira da Torre estava lá para ajudá-lo. Sorte… ou destino. Acaso ou coincidência. Um encontro com uma estranha corajosa e gentil em uma noite qualquer ou mera obra de nossos corações, ansiosos para encontrar laços onde pode não haver nenhum. Vocês decidem.

E conforme Chaol voltou para o castelo iluminado através da cidade, ele pôde jurar que um peso em seu peito, em seus ombros, desapareceu. Como se ele tivesse vivido com ele por toda a vida, inconsciente, e agora, mesmo com tudo o que se reunia ao redor dele, ao redor de Adarlan e daqueles com que ele se importa… Quão estranho era aquilo.
Aquela leveza.

Mas eu sei, e vocês saberão também, quando lerem, que foi tudo planejado – tudo foi lindamente planejado.

Antes de eu contar como foi minha experiência com este livro, devo descrever-lhes como era – notem o verbo no passado – minha relação com o Chaol: eu não o suportava. Era irritante, para mim, ler uma cena em que ele estivesse, ver sua atitude diante de Aelin e como ele a tratou durante muito tempo. Quando soube desse livro, que a Maas não publicaria a continuação de Império das Tempestades para antes lançar esse ponto de vista, um ponto de vista do Chaol, ainda por cima, quando poderia ser de tantos outros, qualquer um… eu fiquei muito brava. E desanimada. Após anos acompanhando os lançamentos de Sarah assim que eles chegavam às prateleiras dos gringos, decidi que não faria o mesmo desta vez. Até que.

Até que me vi, no começo de setembro, encarando um anúncio que contava quantos dias faltavam para Tower of Dawn sair. E faltavam poucos dias. Vi-me surpreendida por ter esquecido e decidi, naquele momento, que daria uma chance ao livro… que daria uma chance ao Chaol.

E agora, olhando para trás, com a leitura concluída, nunca achei que gostaria tanto do Chaol como gosto agora. Eu o compreendi e, mais do que isso, o perdoei, assim como ele se deu uma chance de entender e se perdoar. Foi ótimo vê-lo crescer, vê-lo buscar a cura física e psicológica de tudo o que lhe afligia.

O livro contém três narrações: de Chaol, de Nesryn e de Yrene. Yrene fora uma surpresa muito bem vinda e apreciada, já que no começo do livro eu tinha minhas reservas quanto aos outros dois protagonistas e ela me agarrou de jeito na leitura. Aprendi a apreciar a visão de Chaol também, e não tão lentamente quanto acreditei que pudesse acontecer. Foi de forma rápida, natural e tranquilizadora… como se fosse pra ser, como se Sarah tivesse tramado tudo isso (o que acho, com noventa e nove vírgula nove por cento de certeza, que foi o que ocorreu). Já Nesryn… demorei para me ver ansiosa por seus capítulos. Nunca fui grande fã da personagem também, mas ela cresceu no meu conceito com este livro e, após terminá-lo, vi porque Sarah o publicou antes da continuação de IdT, entendi o que ela queria e porque precisava fazê-lo.

Eu amei cada página. Agradeço a Maas pela oportunidade de conhecer a fundo Chaol, por deixar-me vestir a sua pele e carcaça por algumas centenas de páginas.

E se vocês se perguntam o que Chaol e Nesryn e Yrene poderiam acrescentar na saga de Aelin, eu digo-lhes, sem spoiler, é claro, que ele dará a ela e Dorian aliados. Dará novas perspectivas para a grande guerra. Dará informações chocantes que podem virar o jogo. Eles só têm coisas boas a contribuir com a corte de Aelin, a corte que mudará o mundo. Chaol ajudará, passo por passo, mesmo que tenha que recorrer a bengalas e cadeiras de rodas de vez em quando. Ele seguirá em frente, assim como nós, nessas idas e vindas ao fogo. E sim, nossos queridos personagens, distantes e lutando batalhas intensas, são citados. Boa parte deste livro ocorre junto dos acontecimentos de Império da Tempestade, e ainda temos, no último capítulo, um sofrido ponto de vista de Aelin. Um curto ponto de vista e de dar dor no coração. Mas a cavalaria está indo. A vingança está chegando.

E um aviso… ou fagulha, para iniciar em vocês a pequena chama que arde em mim. Talvez vocês queiram revisitar uma história. Um conto de Aelin, em Lâmina da Assassina, mais precisamente. Um conto em que ela ajuda uma estranha a reencontrar seu caminho, seja ele para onde – ou quem – for.

Ele a chamou de monstro. Por causa do poder dela, pelas ações dela, e ainda assim…
Ele não a culpa.
Ele entendeu.
Que talvez ela tenha prometido coisas, mas… ela mudou. O caminho mudou.
Ele entendeu.

Com um cenário político intrigante e romance e reviravoltas e perdão e renascimento e segundas chances, Tower of Dawn é impossível de largar. Por mais que queime, arda, e por maior que o incêndio seja. Abrace-o com vontade. Vocês não vão se arrepender. E o livro? Deve chegar aqui no Brasil em breve. Esse a gente tem certeza que vem.

 


Livro: Tower of Dawn (Trono de Vidro #6)
Autora: Sarah J. Maas
Editora: Bloomsbury USA Childrens
Páginas: 704
Sinopse: Chaol Westfall sempre definiu a si mesmo por sua inabalável lealdade, sua força, e sua posição como Capitão da Guarda. Mas tudo mudou desde que o castelo de vidro se estilhaçou, desde que seus homens foram abatidos, desde que o Rei de Adarlan o poupou do golpe da morte, mas deixou seu corpo quebrado.
Sua única esperança está com os lendários curandeiros da Torre Cesme, em Antica – a fortaleza do grande império do sul. E com uma guerra se aproximando de Dorian e Aelin perto de casa, a sobrevivência deles pode depender de Chaol e Nesryn convencer seus governantes a se aliarem a eles.
Porém, o que eles descobrem em Antica vai mudar a ambos – e será mais vital salvar Erilea do que eles puderam imaginar.

Você também poderá gostar de

22 Comentários

  • Lili Aragão

    Oi Layla, ainda não abracei as chamas que essa série produz e infelizmente ainda não tive a oportunidade de conhecer a escrita da autora, mas são tantos fãs e tantas resenhas positivas que com certeza tenho vontade de ler e me apaixonar também.
    A resenha tá apaixonada e mais uma vez você escreveu algo encantador, se já não tivesse com vontade de ler iria sair em pesquisa sobre a série agora.
    É bom saber que a autora conseguiu reverter tua opinião sobre o personagem central desse livro, é chato quanto não gostamos de um personagem importante e as cenas em que ele aparece nos irritam só pela presença dele haha.
    Os fãs da saga vão pirar com sua resenha com certeza e ansiar pra esse livro logo seja publicado por aqui 🙂

    8 de setembro de 2017 às 14:03 Responder
    • Layla Magalhães

      Oi, Lili!

      É uma série com muitos fãs mesmo, é inacreditável como os livros da Sarah são famosos por aí. E sim, fiquei muito feliz com a mudança que o personagem teve pra mim, não esperava que isso acontecesse e foi encantador!

      Obrigada por me deixar saber sua opinião mesmo que você ainda não tenha lido os livros e obrigada pelas doces palavras. Espero que a leitura da série corresponda às suas expectativas.

      Beijos grandes e bom fim de semana!

      8 de setembro de 2017 às 14:11 Responder
    • Ellen

      Lily, a Sarah J Maas é uma daquelas autoras que me dão mais que prazer em recomendar, dá vontade de sair falando pra todo mundo como suas séries maravilhosas, pra eu ter com que conversar a respeito! Sério, a leitura não vai te decepcionar, ela só melhora ao longo dos livros da série. E ainda tem a séria Corte de espinhos e rosas que é igualmente boa! (o segundo livro é sensacional!).
      É uma daquelas autoras que fazem você pensar ‘Meus Deus, que livro foda, não posso esperar pela continuação”

      10 de setembro de 2017 às 04:01 Responder
  • Ludyanne Carvalho

    Acabou a resenha? Já? 😢
    Menina, suas palavras são tão maravilhosas que nem parece que estou lendo uma resenha, e sim um livro maravilhoso estilo Colleen Hoover.
    Não acompanho a série Trono de vidro, incêndio é um assunto muito delicado pra mim, não sou tão fã de fantasia, mas essa resenha conquista.
    Amei saber que deu uma chance a Chaol, que o entendeu e passou a gostar dele. É lindo quando podemos ver o crescimento do personagem, e quando eles nos mostram o que há de mais profundo neles.
    Os quotes são belíssimos.
    Pra quem curte a série, temos aqui uma resenha sensacional.

    P.S. Esceeva um livro, garota! Prometo que compro até se for de receitas.

    Beijos

    8 de setembro de 2017 às 22:20 Responder
    • Ludyanne Carvalho

      Escreva*

      8 de setembro de 2017 às 22:21 Responder
    • Layla Magalhães

      LUDYYYYY!! Você tá me deixando mal acostumada com esses comentários maravilhosos! Meu Deus, obrigada, de coração. Toda vez que faço um post por aqui já fico esperando você aparecer, porque sou nova e a sua recepção é extraordinária!

      CoHo… ai CoHo. Amo de paixão, e garanto resenha do próximo livro dela que sai em outubro.

      E você não é fã de fantasia!! Por quê, se posso perguntar?

      O fato de Chaol ter ganhado um novo olhar para mim foi o que validou completamente a leitura, porque tava meio brava com a autora por causa da outra série dela (hahaha olha fã que guarda mágoa aqui). E os quotes são incríveis mesmo, marquei vários, e só não coloquei mais por aqui porque muitos continham spoiler.

      P.S.: e se eu disser que tenho várias fanfics e três livros em andamento, você acredita? Hahaha ninguém me aguenta mais no wattpad.

      Beijos e obrigada novamente, Ludy. Muito muito muito obrigada. Mal posso descrever o quanto sua opinião me alegra.

      9 de setembro de 2017 às 20:07 Responder
      • Ludyanne Carvalho

        Imagina, eu que agradeço pelas suas palavras. 💖

        Estou ansiosa por outubro, e pra saber qual da Coho será lançado. Essa mulher é Diva!

        Se me derem um livro de fantasia, e vou ler e muito provavelmente vou amar. Acaba que fantasia fica em segundo plano entre os meus gêneros preferidos.

        Mas é claro que acredito!! Você tem um dom, Layla, quero seu livro. Haha.
        Não estou utilizando o wattpad, mas quando der vou procurar seus escritos por lá.

        Beijos

        10 de setembro de 2017 às 13:32 Responder
      • Krisna Carvalho

        Acho digno fazer um post um dia só falando dessas fanfics porque, olha, EU AMO! E acho que todo mundo deveria ler. Pronto, falei.

        10 de setembro de 2017 às 22:26 Responder
        • Ludyanne Carvalho

          Acho justo.
          Vou esperar por esse post, Krisna.

          10 de setembro de 2017 às 23:50 Responder
        • Layla Magalhães

          Krisnaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa kkkkk que terrível!

          *se esconde de vergonha*

          E olha que tô pra acabar uma de PJ e a crossover de Mara com Estilhaça-Me e já tenho previsão pra uma snowbaz (da Rainbow Rowell). Enquanto o povo pede fanfic eu faço, me socorre

          11 de setembro de 2017 às 16:01 Responder
    • Krisna Carvalho

      Ludy, ela escreve MUITO bem, sou fã e nem acreditei quando ela se tornou uma leitora inquieta. Rolam muitas lágrimas e coração apertado quando leio o que ela escreve. Já disse que sou fã?

      10 de setembro de 2017 às 22:27 Responder
      • Ludyanne Carvalho

        Sinto o mesmo; parece que estou lendo um livro dentro de uma resenha, e é de uma escrita tão delicada.
        Sou fã.
        E também sou fã das suas palavras, Krisna. Algumas das minhas leituras recentes se deve as suas resenhas, simplesmente maravilhosas.

        P.S. Seu sobrenome é tão lindo. *-*

        10 de setembro de 2017 às 23:58 Responder
        • Layla Magalhães

          Ai, Ludy, obrigada!

          E a Krisna arrasa muito, além de ter um sobrenome lindo mesmo. Será que é por isso que vocês são duas lindas?

          Fica a questão.

          11 de setembro de 2017 às 16:03 Responder
      • Layla Magalhães

        Eu vou chorar aqui. Krisna!!! A honra foi toda minha quando recebi o convite. Não me arrasa não!

        11 de setembro de 2017 às 16:02 Responder
  • Ellen

    Acabei de conhecer o blog, por meio dessa resenha sensacional! Tava morrendo de saudade de TOG <3 Ainda tô no começo de Tower of Dawn, mas já sinto minha antipatia pelo Chaol diminuir hahaha

    10 de setembro de 2017 às 04:04 Responder
    • Layla Magalhães

      Hahahaha e ela vai diminuir bastante, E! TÁ MUITO INCRÍVEL.

      Fazia tempo que não ficava tão feliz com um livro da Sarah. Os ships tão bem, não sofri (tanto), tem umas reviravoltas boas pra causa do Dorian e da Aelin… puro tiro!

      Tô esperando sua opinião do que você achou do livro quando você acabar, tá?

      11 de setembro de 2017 às 15:57 Responder
  • Hérica Lima

    Estou ainda esperando uma chance para ler essa série. Não li absolutamente nada dessa autora.
    Já estou super ansiosa. Adoro série e acho que irei iniciar essa logo. Adorei sua resenha e seu blog está ficando cada vez mais legal.
    Beijos.

    16 de setembro de 2017 às 12:14 Responder
    • Layla Magalhães

      A Sarah é uma das minhas autoras favoritas, apesar dos pesares (que não são poucos, viu, mas a escrita e os mundos que ela cria são maravilhosos).

      Tomara tomara to ma ra que você tenha a chance de conhecê-la porque, atualmente, ela é uma das escritoras mais incríveis que acompanho.

      Beijos e obrigada!

      20 de setembro de 2017 às 12:14 Responder
  • Pamela Mendes

    Nossa, essa série é muito perfeita! Eu estou um pouco atrasada nela, ainda não li os três últimos livros, mas essa é uma das minhas séries favoritas (na verdade tudo dessa autora entra para os meus favoritos, também sou apaixonada pela outra série dela) <3
    Sério que você não gostava do Chaol?? No começo eu adorava ele, depois peguei um pouco de raiva dele, mas já amo ele de novo hahaha
    Acho impossível eu não gostar desse livro, e vou amar conhecer um pouco mais do personagem, e gostei de saber que você mudou de opinião sobre ele ahahah
    Adorei sua resenha, ficou simplesmente perfeita <3
    Bjss ^^

    16 de setembro de 2017 às 13:25 Responder
    • Layla Magalhães

      A Sarah é maravilhosa mesmo, que mulher, gente!

      E muito sério, eu não aguentava o Chaol, e acho que ficou pior nos últimos livros, com a herdeira do fogo e rainha das sombras. Não dá pra explicar, peguei ranço e achava ele um embuste! HAHAHAHA MAS TOWER OF DAWN MUDOU TUDO ISSO.

      Acho também que todos os fãs da série vão amar ToD. Em termos de qualidade, ele está melhor que outros já publicados, sem furos, sem acabar com um personagem pra ship deixar de existir e coisas semelhantes que a autora fazia. No meu skoob dei 5 e fav pra ele, porque olha, tá realmente muito bom.

      Tô torcendo pra você voltar logo a ler, P! Tá insana a série! Hhaha e obrigada, viu?

      20 de setembro de 2017 às 12:19 Responder
  • Franciele Débora

    Sempre quis ler essa série Trono de Vidro, mas nunca consegui ler, talvez por preguiça e falta de dinheiro pra comprar a série toda haha. Fiquei curiosa e um pouco confusa ao ler essa resenha, mas é porque ainda não li os anteriores a esse. Gostei de sua resenha.
    E as capas dessa série são maravilhosas!
    Beijos.

    17 de setembro de 2017 às 22:12 Responder
    • Layla Magalhães

      As capas são mesmo ótimaaaassssss!!!!!!

      Fran, te entendo! São muitos livros e os preços não são muito acessíveis. Eu mesmo fui comprando conforme as promoções apareciam, porque realmente não dá pra pagar o valor cheio neles, mas é uma série que vale muito muito a pena.

      Fico feliz que tenha gostado da resenha e agradeço pelo comentário! Beijos grandes

      20 de setembro de 2017 às 12:21 Responder

    Deixe uma resposta